Covid-19 | Novos níveis de risco colocam Alcanena entre os concelhos mais perigosos do país e prolongam restrições em quase toda a região

Apesar de o governo criar quatro diferentes graduações, as medidas aplicadas aos concelhos de risco "muito elevado" e "extremamente elevado" serão as mesmas, a partir de 24 de novembro.

O governo divulgou ao início da noite de sábado a listagem dos concelhos de acordo com o seu nível de risco e Alcanena é o concelho do Médio Tejo com valores mais preocupantes, acima dos 960 casos por cada 100 mil habitantes, integrando o grupo de 47 concelhos de “risco extremamente elevado” e que terão medidas (ainda) mais apertadas a partir desta terça-feira, dia 24 de novembro.

PUB

Alcanena é, aliás, o único concelho do distrito de Santarém com esta classificação, o que se justifica devido a um surto iniciado num lar de Minde, e que é responsável já por mais de 150 casos positivos de covid-19. Logo a seguir, num grupo considerado de “risco muito elevado” figuram Abrantes, Constância e Ourém, com mais de 480 casos por cada 100 mil habitantes.

PUB

No segundo de quatro níveis de risco (“elevado”, com valores acima dos 240 casos por cada 100 mil habitantes (mas abaixo de 480), encontram-se Entroncamento, Tomar, Torres Novas, Sardoal e Vila Nova da Barquinha.

Abaixo da “linha vermelha” traçada nos 240 casos por cada 100 mil habitantes permanecem apenas quatro concelhos: Ferreira do Zêzere, Mação, Sertã e Vila de Rei.

PUB

Há agora quatro níveis de risco a considerar (moderado, elevado, muito elevado e extremamente elevado)

O presidente da Câmara Municipal de Constância, Sérgio Oliveira, contestou nas redes sociais a inclusão do concelho no grupo de “risco muito elevado”, não encontrando “uma razão objetiva” para esta decisão. “Parece-me que se anda a sobrepor datas e períodos para a contabilização dos casos positivos. Já fiz chegar o meu profundo desagrado ao Governo da República e pedi esclarecimentos. Exige-se clareza e objetividade nas informações e nas comunicações que são feitas”, considerou.

O autarca diria pouco depois que, afinal, o concelho de Constância foi considerado de risco muito elevado porque foram contabilizados os casos positivos de 6/11/2020 a 19/11/2020 ( 21 casos). “Não concordo com o período temporal que foi considerado e manifestei-o a quem de direito. Considero isto uma injustiça. O período a considerar deveria ter tido início a 8/11 ou a 9/11 . Estou muito preocupado com a economia local”, afirmou Sérgio Oliveira.

Segundo as contas diárias realizadas pelo mediotejo.net, com base nos dados oficiais das Unidades de Saúde Pública da região, Constância tem estado efetivamente acima dos 480 casos por cada 100 mil habitantes nos últimos dias (sendo de 496, ao dia de sábado), tal como Ourém (613). Já Abrantes não tinha casos registados em número suficiente para integrar este grupo de risco “extremamente elevado”: manteve sempre valores na casa das duas centenas de casos por cada 100 mil habitantes (228, ao dia de sábado). A delegada de saúde Pública já veio a publico admitir que houve erros na contabilização em Abrantes e que este município tem mais 110 casos no período temporal em análise do que aqueles que eram conhecidos. Todos os dados dos outros concelhos estão corretos, assegurou.

Chamusca, Gavião e Ponte de Sor, concelhos “vizinhos” do Médio Tejo, surgem integrados no nível de risco “elevado”, com valores pouco acima dos 240 casos por cada 100 mil habitantes.

As medidas aplicadas aos concelhos de risco “muito elevado” e “extremamente elevado” (Alcanena, Abrantes, Constância e Ourém) serão as mesmas, a partir de 24 de novembro e por um período de 15 dias.

  • Proibição de circulação na via pública entre as 23h00 e as 5h00 nos dias de semana;
  • Proibição de circulação na via pública aos sábados e domingos entre as 13h00 e as 5h00;
  • Proibição de circulação na via pública nos dias 1 e 8 de dezembro entre as 13h00 e as 5h00;
  • Nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro, os estabelecimentos comerciais devem encerrar às 15h00;
  • Ação de fiscalização do cumprimento do teletrabalho obrigatório.

Pontes “obrigatórias” nos feriados de dezembro

Nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro serão suspensas as atividades letivas em todos os níveis de ensino, em todo o país. Nas mesmas datas vai haver tolerância de ponto na função pública e o primeiro-ministro apelou às entidades privadas para seguirem o exemplo e dispensarem os trabalhadores nesses dois dias, para se conseguir, com esses dois fins de semana alargados, ter “um mês de dezembro o mais tranquilo possível”.

Haverá também uma nova proibição de circulação entre concelhos nesses dias, mais concretamente entre as 23h de 27 de novembro e as 5h de 2 de dezembro; e entre as 23h de 4 de dezembro e as 5h de 9 de dezembro.

PUB
Patrícia Fonseca
Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.
PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).