Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Covid-19 | Medidas de apoio à Economia mantêm-se “custe o que custar”

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, disse hoje no parlamento que as medidas de apoio às empresas e ao emprego no âmbito da covid-19 se vão manter enquanto a pandemia durar, “custe o que custar”.

- Publicidade -

“Do lado do Governo queremos deixar uma mensagem muito forte de apoio e compromisso às empresas e aos trabalhadores que veem a sua atividade condicionada pela pandemia: a garantia que as medidas de apoio às empresas e ao emprego – como o ‘layoff’ e outras – se vão manter enquanto durar a pandemia e a atividade económica estiver condicionada, custe o que custar”, disse João Leão no parlamento.

O ministro, ouvido numa audição regimental da Comissão de Orçamento e Finanças (COF) do parlamento, disse ainda que as medidas extraordinárias de apoio às famílias também se vão manter enquanto durar a pandemia, advogando que não se pode “deixar ninguém para trás”.

- Publicidade -

“Neste contexto exigente temos de evitar o perigo de se retirarem os apoios à economia demasiado cedo. Temos de ter margem para manter os apoios de emergência às empresas e às famílias enquanto a pandemia durar”, disse anteriormente o ministro.

João Leão salientou que o Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) tem “um ‘mix’ de combinação de políticas para as duas diferentes fases da pandemia e da economia”.

O governante elencou medidas “para a fase de emergência e suporte”, como “o ‘lay-off’, a nova prestação social, a prorrogação do subsídio de desemprego, as moratórias e os empréstimos com garantia do Estado” como medidas que se têm adaptado ao longo da crise associada à pandemia de covid-19.

João Leão falou ainda de “um conjunto de medidas para a fase de relançamento da economia, como o investimento público superior a 23%”, o “aumento da liquidez das famílias pela via da diminuição das retenções na fonte do IRS”, “a descida dos impostos pela via do IVA da eletricidade”, que, segundo o ministro, são medidas que totalizam 500 milhões de euros.

Mais tarde na audição, o ministro previu ainda que em 2021 o Governo vai “ter que gastar muito mais em ‘lay-off'”.

“Temos cerca de 212 mil trabalhadores no ‘lay-off’ simplificado e vamos ter de reforçar muito além do previsto, não só neste regime, mas também depois no apoio à retoma progressiva”, anteviu João Leão.

Governo vai rever défice em alta e alterar cenário para 2021

O ministro das Finanças disse ainda no parlamento que o Governo terá de “rever significativamente o cenário macroeconómico para 2021 e de rever em alta o défice orçamental”, face à evolução da pandemia de covid-19.

“A evolução da pandemia conduziu a medidas de confinamento que vão ter um impacto significativo, em particular nos setores mais afetados pela necessidade de distanciamento social”, disse. De acordo com o governante, “tal implica que no Programa de Estabilidade teremos de rever significativamente o cenário macroeconómico para 2021 e teremos de rever em alta o défice orçamental para 2021”.

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome