- Publicidade -

Covid-19 | Média diária de novos casos no Entroncamento regista “descida muito substancial”

Na reunião quinzenal da Câmara Municipal do Entroncamento, o presidente da autarquia, Jorge Faria, deu conta de que a média de novos casos diários por Covid-19 no concelho é atualmente de 1,2. Valor que representa uma “descida muito substancial” e que o autarca admite ser resultado do confinamento.

- Publicidade -

“Relativamente à questão do Covid, o resultado do confinamento começa a ser bem visível e a nossa situação acompanha a situação nacional, talvez até um pouco mais favorável”, começou por dizer o presidente da Câmara Municipal do Entroncamento, Jorge Faria, no período antes da Ordem de Trabalhos da reunião do executivo camarário de 15 de março. O autarca sublinhou também a diminuição da pressão sobre os hospitais, uma “excelente notícia para todos nós e transversal ao país inteiro”.

Quando ao concelho que lidera, Jorge Faria deu conta de que a média diária de novos casos de Covid-19 no Entroncamento tem registado “uma descida muito substancial”, com a média a ser de 1,2 nas primeiras semanas de março. Valor que contrasta com a média diária de 2 casos em fevereiro e 16,5 em janeiro.

- Publicidade -

Também ao nível da vigilância ativa se têm verificado “os frutos do confinamento”, com números reduzidos. “Quer dizer que não só tem havido poucos casos como os que tem havido não tem revelado uma rede de potenciais contactos, o que limita a propagação da doença e é isso que todos nós queremos”, admitiu o edil.

Não obstante este cenário de evolução positiva, o presidente do Município do Entroncamento defende que é importante continuar “com as defesas altas”, apontando como exemplo países como a Alemanha e Itália que estão novamente a ver o número de casos diários aumentar, levando a tomada novamente de medidas de confinamento.

Município disponível para criar centro de vacinação no Pavilhão Municipal

O presidente da Câmara Municipal do Entroncamento reiterou em reunião do executivo camarário a disponibilidade da autarquia em ter um centro de vacinação a funcionar na cidade, após a receção de uma carta por parte do vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, coordenador do plano de vacinação contra a Covid-19, onde é referida uma “previsível chegada de um grande número de vacinas no segundo trimestre”, situação que “irá traduzir-se na criação de novos centros de vacinação”.

“Obviamente que nós vamos responder que temos todas as condições, como já dissemos anteriormente às autoridades de saúde, para a criação de centros de vacinação”, reforçou Jorge Faria, sublinhando que a proposta da autarquia é que o centro de vacinação funcione no Pavilhão Municipal. “Reúne todas as condições físicas necessárias, quer internas quer de espaço de estacionamento e transportes públicos”, disse.

Presidente da Câmara Municipal do Entroncamento, Jorge Faria, em reunião do executivo camarário por videoconferência. Imagem: CME

Recorde-se que atualmente a região do Médio Tejo – composta por 13 municípios – tem a funcionar quatro grandes centros de vacinação, em Abrantes, Tomar, Torres Novas e Ourém, sendo que a população do Entroncamento tem sido vacinada no concelho de Torres Novas.

A este respeito, o autarca entroncamentense explica que há pessoas a serem vacinadas no Centro de Saúde – cerca de 108 na passada semana – por terem dificuldades de deslocação até ao concelho vizinho. Nesse sentido, o edil apela a que quem tenha dificuldade em deslocar-se a Torres Novas contacte as entidades de saúde para que “seja organizada a vacinação num local mais próximo”.

Já no que respeita à testagem à Covid-19, com a reabertura das escolas esta segunda-feira para o pré-escolar e 1.º Ciclo, o autarca divulgou que o Agrupamento de Escolas Cidade do Entroncamento tem estado a “organizar os dados” para se proceder à testagem dos profissionais de educação definida pelo Governo, no âmbito do desconfinamento.

O presidente de Câmara admite que no que respeita à vacinação dos agentes de educação estão também incluídos os técnicos das componentes de apoio à família, tenham vínculo ao Ministério da Educação ou à Câmara Municipal.

Abrantina mas orgulhosa da sua costela maçaense, rumou a Lisboa com o objetivo de se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- Publicidade -