Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Covid-19 | Índice de transmissibilidade (Rt) do Médio Tejo ultrapassou o valor da média nacional

As infeções pelo novo coronavírus progrediram nos últimos dias na região do Médio Tejo, passando o índice de transmissibilidade (Rt) a ser superior a 1 e atingindo hoje os 1,17, segundo os cálculos do mediotejo.net e os dados revelados esta segunda-feira pelo Instituto de Saúde Pública Doutor Ricardo Jorge.

- Publicidade -

- Publicidade -

Na semana passada, o Médio Tejo encontrava-se em contraciclo com outras sub-regiões de Lisboa e Vale do Tejo, com um Rt na casa dos 0,90, mas já ultrapassou o valor global desta área territorial, fixado em 1,12 no relatório hoje divulgado pelo Instituto de Saúde Pública Doutor Ricardo Jorge. O índice de transmissibilidade a nível nacional é esta segunda-feira de 1,16.

Neste relatório sobre a curva epidémica, todas as regiões de Portugal continental apresentam um índice de transmissibilidade superior a 1,20, com exceção de Lisboa e Vale do Tejo (1,12). O Centro está com um Rt de 1,23, o Alentejo de 1,26, o Algarve de 1,21, os Açores de 1,15 e a Madeira de 1,29.

- Publicidade -

O Instituto Nacional Ricardo Jorge confirmou também que a variante Delta (B.1.617.2) é já dominante em todas as regiões, com uma frequência relativa em Portugal de 89,1% dos casos, na semana de 21 a 27 de junho.

Nas últimas 24 horas foram contabilizadas mais 19 infecções pelo SARS-CoV-2 na região do Médio Tejo, em Abrantes (3), Constância (1), Entroncamento (1), Mação (2), Ourém (1), Sertã (7) e Torres Novas (3).

Há hoje 496 pessoas em vigilância ativa no Agrupamento de Centros de Saude (ACES) do Médio Tejo, a que se juntam 6 pessoas em Vila de Rei e mais 42 na Sertã, concelhos do Agrupamento de Centros de Saude do Pinhal Interior Sul.

Segundo os cálculos que o mediotejo.net realiza diariamente, o risco de transmissão da covid-19 mantém-se “moderado” em todos os concelhos, exceto em Constância, que está em “risco elevado”, com 447 casos por cada 100 mil habitantes – ainda quase no dobro do limite definido pela DGS, de 240 casos em concelhos de baixa densidade populacional.

Portugal registou hoje 1.782 novos casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, oito mortos atribuídos à covid-19 e um novo aumento de doentes internados e em cuidados intensivos, refere o boletim epidemiológico da DGS de hoje.

A maioria das infeções volta a ser registada na região de Lisboa e Vale do Tejo, com 864 novos casos, o que representa 48% do total do país, que ultrapassou hoje os 909.756 casos acumulados.

Os mesmos dados indicam que se registaram mais oito óbitos, um número igual ao de domingo, havendo, no entanto, um aumento de pessoas internadas.

Há mais 57 pessoas internadas em enfermaria, num total de 729, e mais 10 doentes em unidades de cuidados intensivos, que acolhem 163 pessoas.

As oito mortes registadas nas últimas 24 horas aconteceram nas regiões de Lisboa (mais três óbitos), no Norte e Centro do país (ambos com mais dois mortos cada) e no Algarve (mais um).

Segundo os dados da DGS, até agora morreram em Portugal 17.164 pessoas vítimas de covid-19: 9.016 homens e 8.148 mulheres.

As oito mortes registadas nas últimas 24 horas diziam respeito a maiores de 70 anos: dois eram homens entre os 70 e os 79 anos e os restantes – quatro homens e duas mulheres – tinham mais de 80 anos.

No que toca aos novos infetados, é nos jovens entre os 20 e os 29 anos que se registaram mais casos, com mais 655 infetados desde domingo.

Os dados da DGS mostram que há um aumento gradual de novos casos conforme se vai subindo nas faixas etárias, com as crianças entre os 0 e os 09 a registarem mais 202 casos e os jovens entre os 09 e os 19 anos com mais 302 casos.

O aumento gradual de novos casos vai até à faixa etária dos 20/29 anos e a partir dos 30 anos começam a descer: entre os 30 e os 39 anos registaram-se, nas últimas 24 horas, 466 novos casos, um número que desce abaixo dos 300 para a faixa etária seguinte.

Entre os quinquagenários registaram-se menos de 200 casos, entre os sexagenários foi abaixo de uma centena e entre os septuagenários a DGS registou menos de meia centena de novos casos (48). Com mais de 80 anos, o boletim dá conta de 42 casos.

De acordo com a autoridade de saúde, Portugal tem agora 46.048 casos ativos, tendo recuperado da infeção nas últimas 24 horas mais 1.028 pessoas, o que aumenta para 846.544 o número de recuperados desde o início da pandemia.

Lisboa e Vale do Tejo é a região com mais óbitos (7.308), seguindo-se o Norte (5.376), o Centro (3.032), o Alentejo (974), o Algarve (370), a Madeira (70) e os Açores (34).

Portugal continental regista hoje um aumento da taxa de incidência de infeções por 100 mil habitantes, que subiu para 325,2, quando na sexta-feira estava nos 280,5.

Nos concelhos de baixa densidade populacional, que representam mais de metade do território continental, a linha vermelha que obriga os municípios a recuar no plano de desconfinamento está fixada nos 480 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias e os restantes concelhos ficam sob alerta quando ultrapassarem os 240 casos por 100 mil habitantes no mesmo período.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.164 pessoas e foram registados 909.756 casos de infeção, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

*C/Lusa

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome