- Publicidade -

Covid-19 | CHMT levanta suspensão do gozo de férias a profissionais de saúde

A suspensão temporária do gozo de férias para os profissionais do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) foi levantada e tem efeitos a partir desta segunda-feira, dia 01 de março, informou o conselho de administração, dia em que as Urgências Básicas voltam a funcionar normalmente nos três hospitais do CHMT.

- Publicidade -

O levantamento da suspensão do gozo de férias de todos os profissionais do CHMT insere-se no “plano de retoma progressiva de atividade assistencial”, refere a instituição num comunicado sobre a medida que entra em vigor a partir desta segunda-feira, dia 01 de março.

No documento, o conselho de administração do CHMT informa que a decisão se justifica pela “evolução positiva do circunstancialismo pandémico, pela redução do número diário de cidadãos infetados com o vírus SARS-CoV-2, bem como pela redução do número de utentes internados, com expressão a nível nacional”.

- Publicidade -

Em novembro de 2020, o CHMT suspendeu as férias aos cerca de dois mil profissionais até ao dia 31 de janeiro deste ano, medida que foi depois prorrogada até ao final de fevereiros, disse à agência Lusa fonte do gabinete de comunicação.

Em comunicado divulgado na altura, o conselho de administração do CHMT, que abarca as unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, considerou ser “absolutamente indispensável e essencial” proceder à adoção da “medida de caráter excecional e temporária”, tomada no âmbito da situação de estado de emergência devido à pandemia de covid-19 e em virtude dos condicionalismos hospitalares e de saúde pública.

Na nota divulgada no dia 24 de fevereiro é ainda referido que, a par com o levantamento da suspensão do gozo de férias, o Centro Hospitalar do Médio Tejo espera “estabilizar a ocupação de doentes covid-19 nas 58 camas, com duas enfermarias ativas na Unidade Hospitalar de Abrantes, acrescidas de seis camas, distribuídas pelo Serviço de Nefrologia e pelo Serviço de Pediatria, ambos instalados na Unidade Hospitalar de Torres Novas”.

A instituição manterá ainda uma enfermaria de reserva, com 26 camas preparadas para serem acionadas de imediato se tal se justificar.

Relativamente à capacidade de camas nos Cuidados Intensivos, a partir de 01 de março, será estabilizada em 10 camas para doentes covid-19.

Contudo, é acrescentado na nota, essa capacidade nos Cuidados Intensivos será “variável em função das necessidades do CHMT e de toda a Região de Lisboa e Vale do Tejo”.

Por outro lado, com a retoma progressiva da atividade assistencial no CHMT, “os serviços que foram transferidos, temporariamente, regressaram aos locais de origem, ou seja, o serviço de Ortopedia e o serviço de Cardiologia, transferidos em 05 de fevereiro para Tomar e Torres Novas, respetivamente, voltaram à Unidade Hospitalar de Abrantes no último fim de semana.

Já os Serviços de Urgência Básicas do CHMT, em Tomar e Torres Novas, “retomarão o seu horário normal de funcionamento, 24:00/24:00, a partir do próximo dia 01 de março”, lê-se ainda na nota.

Em 06 de novembro, devido à “necessidade de alocar recursos humanos”, o conselho de administração do CHMT alterou os horários de funcionamento dos dois Serviços de Urgência Básica (em Tomar e Torres Novas), encerrando-os nos períodos noturnos, entre as 00:00 e as 08:00, e encerrando a admissão de doentes a essas mesmas urgências básicas às 21:00.

Constituído pelas unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, separadas geograficamente entre si por cerca de 30 quilómetros, o CHMT funciona em regime de complementaridade de valências, abrangendo uma população de cerca de 260 mil habitantes de 11 concelhos do Médio Tejo, no distrito de Santarém, Vila de Rei, de Castelo Branco, e ainda dos municípios de Gavião e Ponte de Sor, ambos do distrito de Portalegre.

c/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- Publicidade -