- Publicidade -

Sábado, Janeiro 22, 2022
- Publicidade -

Covid-19 | ACES Médio Tejo tem um total de seis óbitos e três novos casos em Mação e Entroncamento (C/AUDIO)

Depois de quatro dias sem registo de novos casos de doentes por covid-19 nos 11 municípios do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo, a região regista três novos casos nas ultimas 24 horas, sendo dois deles no Entroncamento e um outro em Mação. Há cada vez menos cidadãos em vigilância ativa mas há a registar mais quatro óbitos na região, numa atualização dos dados efetuada hoje pela Delegada de Saúde Pública, sem especificar os municípios de residência. O ACES Médio Tejo apresenta assim, este sábado, dia 13 de junho, um total acumulado de 221 pessoas infetadas (+3), 131 recuperadas, 14 pessoas em vigilância ativa (-6), e seis óbitos (+4).

- Publicidade -

- Publicidade -

A Delegada de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo, Maria dos Anjos Esperança, disse ao mediotejo.net que a região mantém a tendência de descida continuada de novas infeções, sendo os casos do Entroncamento referentes a dois homens de 68 e 51 anos, respetivamente, e o de Mação a um cidadão que teve teste positivo após deslocação a unidade hospitalar. Questionada sobre a atualização dos óbitos na região, a responsável deu conta de ter conhecimento de um total acumulado de seis óbitos, mais quatro relativamente aos últimos dados tornados públicos.

Torres Novas (53), Ourém (50), Abrantes (41), Entroncamento (24), Tomar (22), Alcanena (14), Vila Nova da Barquinha (7), Constância (3), Mação (3) , Ferreira do Zêzere (2) e Sardoal (2) são os dados acumulados de casos positivos referentes aos 11 municípios do ACES Médio Tejo até este sábado, dia 13 de junho.

- Publicidade -

Os 11 municípios deste ACES somam um total de 221 casos acumulados desde 16 de março, dia em que foi conhecido o 1º caso na região, dos quais 131 pessoas já recuperaram totalmente da doença e 14 estão hoje em vigilância ativa. Torres Novas é o município que tem mais pessoas em vigilância ativa (8), seguido do Entroncamento (3), Abrantes (2) e Sardoal (1). Com os casos da Sertã (6) e Vila de Rei (1) o Médio Tejo soma um total de 228 pessoas infetadas, 138 recuperadas e seis óbitos.

- Publicidade -

A Sertã tem seis casos confirmados e todas as pessoas já estão recuperadas da doença. Ainda neste ACES, Vila de Rei teve um doente, também já considerado curado. No total dos 13 municípios da região do Médio Tejo há um acumulado de 228 casos confirmados de covid-19, sendo que 138 pessoas estão completamente recuperadas do vírus, havendo ainda a registar seis mortes (dois dos óbitos com cidadãos de Alcanena e de Tomar, segundo os números oficiais do ACES).
O ACES Médio Tejo abrange 11 municípios e cerca de 225 mil utentes/frequentadores, sendo composto pelos municípios de Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha. Vila de Rei e Sertã estão ligados ao ACES do Pinhal Interior Sul.
Gavião e Ponte de Sor, no Alto Alentejo, continuam sem registar casos de covid-19.
Na Lezíria do Tejo a situação está mais complicada. A Chamusca mantém um registo de nove casos, entre os quais um óbito a lamentar. A Golegã tem três casos confirmados. No total, a região da Lezíria soma hoje 21 óbitos: Santarém (10), Coruche (3), Benavente (2) Salvaterra de Magos (2), Almeirim (1), Chamusca (1), Cartaxo (1) e Alpiarça (1).
A Lezíria do Tejo apresentava até às 18:30 de hoje um total acumulado de 486 doentes, dos quais 185 casos no concelho de Santarém, segundo dados da Rede Regional.
O distrito de Santarém soma, assim, 707 casos (486 na Lezíria do Tejo e 221 no ACES Médio Tejo), e um total de 25 óbitos (19 na Lezíria e seis no ACES Médio Tejo).  A Lezíria do Tejo apresenta um total de 349 doentes recuperados e o ACES Médio Tejo tem 131, o que dá um total de 480 pessoas recuperadas do vírus.

Covid-19 | Portugal com 1.512 mortos e 36.463 infetados

Portugal regista hoje 1.512 mortes relacionadas com a covid-19, mais sete do que na sexta-feira, e 36.463 infetados, mais 283, segundo o último boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde se tem registado o maior número de surtos, a pandemia de covid-19 atingiu os 14.622 casos confirmados, acima dos 14.407 casos totalizados até sexta-feira.

Por sua vez, a região Norte continua a registar o maior número de infeções, com 17.066. Já a região Centro contabiliza 3.868 casos confirmados, seguida pelo Algarve (393) e Alentejo (281).

Os Açores registam 143 casos de infeção e a Madeira 90, permanecendo esta última região sem registo de óbitos. Por concelho, Lisboa é o que regista o maior número de casos de infeção pelo novo coronavírus (2.852), seguido por Sintra (1.886), Vila Nova de Gaia (1.599), Loures (1.424), Porto (1.414), Matosinhos (1.292), Braga (1.256) e Amadora (1.226).

Segundo o documento, 761 óbitos são mulheres e 751 homens. Por faixa etária, o maior número de mortes regista-se entre as pessoas com 80 ou mais anos (1.018), seguida pela faixa etária entre os 70 e os 79 anos (290). Entre a população com idades compreendidas entre os 60 e 69 anos totalizam-se 135 mortes.

Os dados da DGS indicam ainda 49 mortes na faixa etária entre os 50 e os 59 anos e duas mortes entre os 20 e os 29 anos. Do total de infetados, 20.594 são mulheres e 15.869 homens.

A faixa etária mais afetada pela doença é a dos 40 aos 49 anos (6.120), seguida da faixa dos 50 aos 59 anos (5.912) e das pessoas com idade entre os 30 e os 39 anos (5.699). Entre os casos de infeção confirmados, 428 estão internados e 77 em unidades de cuidados intensivos.

A aguardar o resultado laboratorial estão 1.516 pessoas e em vigilância pelas autoridades de saúde 30.655.

 

c/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome