Covid-19 | Abrantes, Alcanena, Constância, Ourém e Sardoal na nova lista de “risco elevado” anunciada pelo governo

Contactados pelo mediotejo.net, os autarcas da região dizem compreender a decisão do governo mas temem os impactos agravados na economia – sobretudo no setor da restauração, já muito fragilizado após tantos meses de restrições

*Com Cláudia Gameiro e Mário Rui Fonseca

PUB

Abrantes, Alcanena e Ourém juntam-se a partir de segunda-feira, dia 16, a Constância e Sardoal na listagem dos 191 concelhos de “risco elevado” de contágio anunciados pelo primeiro-ministro ao início da noite desta quinta-feira, no final da reunião do Conselho de Ministros. Há outros fatores (atenuantes e agravantes) que são ponderados pelas autoridades de saúde pública na definição de cada “área de risco”, o que poderá justificar a inclusão de Abrantes nesta listagem, mesmo permanecendo, à data de hoje, abaixo dos 240 casos de covid-19 por cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, segundo os dados oficiais que o mediotejo.net analisa diariamente (ver mapa).

PUB

Abrantes esteve acima dos 240 casos por 5 vezes nas últimas duas semanas, e não é claro se as datas consideradas pelos epidemiologistas do Ministério da Saúde se reportam de 30 de outubro a 12 de novembro (como os valores que fixamos no nosso mapa e que hoje a Delegada de Saúde do Médio Tejo indicou como a que seria analisada), ou se incluem dados ainda de dia 27 ou 28 de outubro, como outros responsáveis adiantam. Consoante os valores considerados nessa análise, o Entroncamento poderia ter entrado nesta listagem, e Constância e Sardoal também poderiam ter saído.

Na região envolvente ao Médio Tejo incluem-se na listagem de “risco elevado” os municípios da Chamusca e Ponte de Sor. Todos estes concelhos passam a estar em “situação de emergência” até 23 de novembro, regendo-se por normas mais apertadas, com restrições à circulação e períodos de recolher obrigatório.

Contactada pelo mediotejo.net, a presidente da Câmara Municipal de Alcanena, Fernanda Asseiceira, disse que esta já era uma “situação expectável”, tendo em conta o surto revelado no passado fim de semana num lar de Minde. “O governo entendeu que era melhor esta precaução e já estamos preparados”, revelou. No concelho há uma preocupação acrescida no setor da restauração, e a presidente apela a que os habitantes usem, na medida das suas possibilidades, os serviços de take away e de entrega ao domicílio, para apoiar estes pequenos negócios.

O presidente da Câmara de Ourém, Luís Albuquerque, disse também ao nosso jornal que a inclusão nesta lista “é um sinal de preocupação mas de alerta e de sensibilização maior para que todos continuem a reforçar as precauções dos últimos meses”. A economia da cidade de Fátima, já seriamente abalada pela pandemia, será ainda mais afetada, mas o autarca considera que, apesar de tudo, sendo uma altura de “época baixa”, os impactos não serão muito mais gravosos do que aqueles que já se faziam sentir.

Manuel Jorge Valamatos, presidente da Câmara de Abrantes, encontrando-se ainda a avaliar o impacto destas medidas mais restritivas na vida do concelho, remeteu esclarecimentos para o dia de amanhã.

Os autarcas de Constância e Sardoal receberam sem grande surpresa a notícia de que se mantêm nesta listagem de concelhos de “risco elevado” de contágio.

Sérgio Oliveira diz estar ainda na expectativa que estas medidas, a par da atitude das pessoas, possam ajudar a baixar o número de casos de infeção no concelho de Constância e na região, manifestando contudo a sua preocupação com o setor da restauração, que será (ainda mais) afetado nos próximos dois fins de semana.

Já Miguel Borges, que além de presidente da Câmara de Sardoal é também presidente da Comissão Distrital de Proteção Civil de Santarém, considera que se deve olhar para lá dos números e dos critérios matemáticos, bem como das fronteiras que delimitam os concelhos. “O vírus não conhece fronteiras”, ironizou, apelando ao bom senso de todos e a um certo “espírito de prudência”, que será vital para contrariar o crescimento do número de casos em todo o país.

O Sardoal já estava, nos últimos três dias, abaixo dos 240 casos por cada 100 mil habitantes, mas Miguel Borges tem a indicação de que foram considerados ainda valores de 27 de outubro. Além disso, alerta, “há ainda muitas pessoas a realizar testes”. A manutenção do seu concelho na lista de risco elevado é um facto que não lamenta, apesar de todos os impactos negativos que mais restrições implicam na economia local. “A Câmara tem estado a apoiar os comerciantes, e continuará a tentar minimizar os seus prejuízos”, disse.

Além do recolher obrigatório, os concelhos com risco elevado de transmissão da covid-19 têm em vigor, desde 04 de novembro, um conjunto de outras medidas especiais, inclusive o dever de permanência no domicílio, a obrigatoriedade do teletrabalho, o encerramento dos estabelecimentos de comércio até às 22:00 e dos restaurantes até às 22:30, e a proibição de eventos e celebrações com mais de cinco pessoas, salvo se pertencerem ao mesmo agregado familiar.

Nos próximos dois fins de semana haverá ainda encerramento total dos estabelecimentos comerciais e de restauração a partir das 13:00, havendo autorização para abrirem apenas a partir das 08:00 – uma medida que o primeiro-ministro lamentou ter de apresentar agora de forma “mais restritiva”, devido às tentativas de alguns setores para “contornarem” as regras do estado de emergência.

*C/Lusa

 

PUB
Patrícia Fonseca
Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.
PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).