Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Domingo, Novembro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Constância | Tradição das migas carvoeiras e pintassilgo regressa a Malpique

O Rancho Folclórico Os Camponeses de Malpique, na freguesia de Santa Margarida da Coutada (Constância) promove no dia 7 de novembro mais uma iniciativa cultural, desta vez com destaque para a gastronomia tradicional através da confeção e degustação das migas carvoeiras e migas pintassilgo.

- Publicidade -

A iniciativa denominada ‘Vamos dar a Mão à Caldeira – lembrar Custódio de Oliveira’ tem início às 12:30 na antiga escola primária de Malpique, e consta de um almoço convívio de degustação gastronómica de migas carvoeiras, migas pintalssilgo, sardinha assada e febras na brasa, entre outros acepipes, a par de uma homenagem a um dos maiores migueiros da região.

“Esta é um iniciativa que nos é muito querida, não só pela homenagem (ontem, hoje e sempre) ao nosso velho timoneiro que já não se encontra entre nós, um dos maiores Migueiros da nossa região, como pela confecção e degustação gastronómica de um dos pratos mais típicos do Ribatejo: As Migas Carvoeiras e Pintassilgo com o devido acompanhamento dos seus condutos”, destaca a Associação na sua página oficial.

- Publicidade -

A participação no almoço tem o custo de 9 euros e exige inscrição prévia, até dia 2 de novembro, pelo telefone 936602654. 

O Rancho Folclórico Os Camponeses de Malpique é uma associação cultural sem fins lucrativos, que serve como ocupação dos tempos de lazer aos seus componentes e associados. Dedica-se à pesquisa e preservação dos usos, costumes e tradições do povo local de antanho.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome