Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Setembro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Constância: Santa Margarida da Coutada com festa em honra da padroeira

A freguesia de Santa Margarida da Coutada realiza a festa em honra da sua padroeira entre os dias 15 e 17 de julho. O dia de Santa Margarida é assinalado na quarta-feira, 20, e mantém-se a tradição das celebrações serem feitas no fim-de-semana mais próximo, este ano com missa, artesanato, quermesse, arraiais, folclore, arruada e petiscos.

- Publicidade -

Não há que enganar nos dois primeiros dias das Festas em Honra de Santa Margarida, 15 e 16 de julho, uma vez que os horários são iguais. A mostra de artesanato abre às 18h30 e a quermesse às 21h30, meia-hora antes de ter início o arraial animado pelos grupos musicais Toc&Foge, na sexta-feira, e Jovisom, no sábado.

O programa de domingo é mais vasto e começa às nove da manhã com o “Domingo de Praça” que reúne comerciantes e artesãos do concelho no Largo Dr. Pratas Moura até ao meio-dia. Durante esse período decorre a arruada com a banda da Associação Filarmónica Montalvense 24 de Janeiro (10h00).

- Publicidade -

A vocação e a fé são reforçadas neste dia durante a missa na Igreja Matriz de Santa Margarida da Coutada, a partir das 17h00, seguida de procissão e leilão de fogaças, e o espírito de equipa no convívio de pesca.

A mostra de artesanato abre às 15h00, a quermesse às 19h00 e a noite é de folclore com o Grupo de Danças e Cantares da Chamusca e do Ribatejo e o Rancho Folclórico “Os Camponeses” de Malpique, que atuam pelas 21h30.

Apesar de não integrar o programa oficial, a junta de freguesia de Santa Margarida da Coutada organiza uma Night Color Run em parceria com a União Jazz Malpiquense, que terá lugar em Malpique no dia 22 de julho a partir das 21h30.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome