Sexta-feira, Fevereiro 26, 2021
- Publicidade -

Constância | Flores e frutos cantados por Camões dão sabor às Pomonas Camonianas (C/VIDEO)

A XXII edição das Pomonas Camonianas, organizada pela Câmara de Constância, pela Casa Memória de Camões e pelo agrupamento escolar local, está a envolver toda a vila na recriação de um mercado quinhentista, retratando até este domingo a época em que viveu o poeta, e na exposição e venda dos frutos e flores que mencionou nas suas obras, líricas e épicas, uma iniciativa que visa homenagear Camões e a sua ligação à vila, coincidindo com as comemorações do Dia de Portugal.

- Publicidade -

“Esta é uma iniciativa construída de forma genuína, sentida e vivida por toda a comunidade, porque este é um poeta que lhes pertence”, disse ao mediotejo.net a professora e coordenadora das Pomonas Camonianas, Angelina Fernandes, tendo relevado a participação de sete centenas de alunos e de toda a comunidade educativa, dos pais e da comunidade em geral.

- Publicidade -

O Ano Camões, que se encontra em dinamização desde outubro de 2016 até outubro de 2017, é marcado neste fim-de-semana pelo ponto alto das celebrações em torno do épico Luís Vaz de Camões: as Pomonas Camonianas. Passados 22 anos da sua criação, o evento encerra nesta edição algumas efemérides, caso dos 40 anos da Associação Casa Memória de Camões, fundada em 1977, e dos 25 anos da Escola Luís de Camões, de Constância, inaugurada em 4 de outubro de 1991.

As Pomonas Camonianas, são consideradas o evento macro do Ano Camões, onde a comunidade pára para ouvir, sentir e respirar o poeta, cuja presença se nota no centro histórico da Vila Poema.

O programa de três dias inclui, igualmente, o Cortejo e a Taberna quinhentistas, o VI Festival Hípico de Constância, uma Feira de Antiguidades e Velharias, uma prova de orientação noturna e a iniciativa “Declamões”.

Constância l Pomonas Camonianas recriam mercado quinhentista

Publicado por mediotejo.net em Sábado, 10 de Junho de 2017

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).