Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Domingo, Setembro 19, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Constância | “Estralheira singela” em destaque no Museu dos Rios e das Artes Marítimas

Uma estralheira singela datada do século XX é a ‘Peça do Mês’ do Museu dos Rios e Artes Marítimas (MRAM), em Constância, uma iniciativa que pretende dar a conhecer à comunidade os diversos elementos patrimoniais da vila poema e respetiva história.

- Publicidade -

Estralheira singela é um aparelho de laborar manual utilizado nas embarcações “formado por um conjunto de dois cadernais, nomeadamente um cadernal de madeira com dois gornes e outro de metal, com três gornes, onde se encaixam as roldanas e por onde passa um cabo”.

Com a função de reduzir o esforço humano, refere o MRAM que este conjunto de cadernais – a estralheira singela – onde o esforço feito pela pessoa que iça a carga, é correspondente a um quinto do peso da mesma. “Assim, quanto maior for o número de roldanas de um aparelho, menor será o esforço da pessoa” é explicado.

- Publicidade -

Usado para carregar, para dentro do varino, os cascos de vinho, aguardente ou outra carga mais pesada (como a cortiça), a estralheira singela servia também para “arriar e levantar o mastro aquando da passagem por pontes, colocar a lancha salva-vidas dentro do barco ou elevar lateralmente, contrabalançando o peso do barco quando este ia carregado de palha e com ventos contrários”, pode ainda ler-se na nota do museu.

Esta estralheira em destaque como “Peça do Mês” foi montada pelo marítimo Hermínio Bento, para a inauguração do Museu dos Rios e das Artes Marítimas, em 1998.

Imagem: MRAM

O mês de julho assinala a sétima edição desta iniciativa do Museu dos Rios e das Artes Marítimas. A estralheira singela pode ser apreciada virtualmente, através da página de Facebook do museu, ou presencialmente. No entanto, o MRAR vai estar encerrado entre os dias 1 e 19 de julho.

Abrantina mas orgulhosa da sua costela maçaense, rumou a Lisboa com o objetivo de se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome