Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Julho 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Constância | Custódio Rodrigues lança livro em Malpique

Divagações do meu sentir, da autoria de Custódio Rodrigues, natural de Malpique, freguesia de Santa Margarida da Coutada, concelho de Constância, é o livro que vai ser apresentado na Biblioteca Municipal Alexandre O´Neill, no próximo sábado, 5 de novembro, às 15h00, uma obra publicada pela Chiado Editora.

- Publicidade -

Esta apresentação visa dar a conhecer os pontos essenciais do livro e promover o desenvolvimento do gosto pela leitura junto do público, através da partilha de opiniões e sugestões, acerca da autor e da sua obra.

Custódio M. Rodrigues, assume-se como um contador de estórias que gosta de filosofar sobre a vida, sobre as coisas e o mundo que o rodeia. Individuo de sentimentos puros e de espirito aberto, considera cada pessoa que se cruza na sua vida como uma história merecedora de ser desmontada e recontada, porquanto mais importante que os valores materiais que nos rodeiam e nos causam dependência, encontra-se a vida humana e toda a sua envolvência afetiva e sentimental. Um amante incondicional da Antropologia Cultural e dos valores que a atualidade não assume e tende a relegar para os anais do esquecimento.

- Publicidade -

Divagações do meu sentir, é uma compilação de sentimentos e desejos reprimidos mas devidamente controlados. Conforme refere o autor …”valorizo sobremaneira as memórias, porque não vivendo em prol delas, é lá que está o meu suporte. É lá que encontro o alimento para dar corpo à minha modesta pena. A ponte entre as memórias passada e futura”.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here