Constância | Concurso para nova torre no Parque Ambiental ficou deserto (c/áudio)

O Município de Constância assumiu publicamente o ano passado a necessidade de reabilitar o Parque Ambiental de Santa Margarida. Após uma candidatura não aprovada pelo Turismo de Portugal para comparticipação das obras a executar, a autarquia passou ao plano B e fez o levantamento das questões mais urgentes, como é o caso da torre de observação do parque. No entanto, mais um constrangimento apareceu: o procedimento concursal para a construção de uma nova torre ficou deserto.

PUB

Encerrada ao público desde novembro de 2017 devido ao seu estado de conservação, que não oferece as condições mínimas de segurança aos visitantes, a Torre do Parque Ambiental de Santa Margarida é uma das infraestruturas que o Município de Constância quer ver recuperadas, na estratégia de reabilitação do parque.

O objetivo da autarquia passa assim pela substituição da torre, naquela que é uma operação “muito específica”, e em que se pretende substituir a atual edificação em madeira por “uma estrutura metálica mais duradoura”, conforme explicou o presidente do Município, Sérgio Oliveira, em declarações ao mediotejo.net.

PUB

Nesse sentido, foi lançado o procedimento concursal para a realização da obra, tendo o prazo para a apresentação de propostas terminado no dia 13 de agosto. No entanto, o Município não recebeu qualquer proposta por parte de empresas interessadas em agarrar a obra.

Em reação, Sérgio Oliveira lembra ao mediotejo.net que esta não é a primeira vez que um concurso fica deserto, dando como exemplos os casos do açude de Santa Margarida e da extensão de saúde de Montalvo que também não receberam propostas aquando do primeiro procedimento.

PUB
Concurso para nova torre no Parque Ambiental de Santa Margarida ficou deserto. Foto: DR

O autarca admite que esta situação é “frustrante” mas refere que tal não acontece apenas no concelho de Constância mas também em concelhos vizinhos, e justifica-a com a falta de mão de obra e simultâneo elevado volume de trabalho existente nas empresas de metalomecânica e construção civil, que não permite mais capacidade de resposta no que respeita à execução de empreitadas.

 

O valor estimado pela autarquia para este primeiro concurso para a colocação de uma nova torre no Parque Ambiental de Santa Margarida era de 45.000,00€ mais IVA.

Perante a falta de interesse por parte de empresas, a Câmara vai ter de avançar para um novo procedimento mas certo é que “está articulado internamente na Câmara Municipal para, no início de setembro, demolirmos a torre que lá está, é uma obra que vai ser por administração direta”, diz Sérgio Oliveira.

Para “não correr o risco de ficar deserta outra vez”, a autarquia vai também averiguar, junto do engenheiro do Município, se “os preços estão adequados àquilo que são os preços de mercado”.

“O código da contratação pública permite que o Município, junto de uma empresa da área, faça uma consulta preliminar e nos prestem algum apoio técnico, e que alguém da área nos diga se o valor que foi a concurso está dentro daquilo que é o preço de mercado ou não e se não tiver a ver se aumentamos qualquer coisa para ver se aparece alguma empresa para substituir a torre”, diz o autarca de Constância.

Parque Ambiental de Santa Margarida. Foto: mediotejo.net

Recorde-se que a autarquia constanciense pretende levar a cabo a requalificação do Parque Ambiental de Santa Margarida, uma intervenção estimada em 260.000,00€ e que passa pela reabilitação de espaços como a torre de observação, o teto da Ecoteca e a iluminação do parque.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here