Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Terça-feira, Setembro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Constância | Cidadãos alertam para perigo de incêndio na Pereira

O Grupo de Ação Pereira, sedeado na localidade da Pereira, concelho de Constância, enviou à Câmara um alerta sobre o perigo de incêndio que existe nas encostas a norte da aldeia.

- Publicidade -

No e-mail, Rui Pereira chama a atenção para o problema informando que “a inicialmente subentendida faixa de combustível já se encontra ocupada por mato e por muitas árvores de algum porte e, em parte, com acesso vedado por estruturas com postes de madeira.”

O grupo recorda que, aquando da primeira eucaliptização em torno da Pereira (em meados dos anos 80), a população lutou e conseguiu que essa plantação não acontecesse até ao limite da povoação, mantendo-se essa faixa de dezenas de metros limpa e cuidada durante as décadas seguintes.

- Publicidade -

Neste momento, a ocupação do solo, tanto a norte como a sul, tornou-se “deveras preocupante em termos da prevenção de incêndios, da gestão do território e da salvaguardada da população”, alertam.

Por isso, a organização apela “que a autarquia aja no sentido de encontrar uma resposta eficaz para o problema, na qual, naturalmente, inclua também avanços concretos na definição e validação do plano de defesa da floresta contra incêndios”. Solicita ainda a identificação “dos proprietários e usufrutuários dos terrenos dessas encostas (e como tal corresponsáveis pela situação), pois até quanto a isso, entende-se existir falta de informação e clareza”.

Pereira é um aglomerado rural com cerca de 25 habitações no limite geográfico da freguesia de Santa Margarida (Constância) com o concelho da Chamusca. A mancha florestal em causa localiza-se a menos de um quilómetro do Campo Militar de Santa Margarida.

Em resposta, a Presidente da Câmara, Júlia Amorim, informa que o e-mail “foi remetido ao Gabinete Municipal de Proteção Civil para encaminhamento”.

 

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome