PUB

Constância | Centro Ciência Viva mostra a vertente científica das tradições

“Há Ciência nas Tradições”, assim se chama a atividade que vai decorrer no Centro Ciência Viva de Constância (CCVC) no domingo, dia 20 de maio, a partir das 16 horas, altura em que será aberto ao público o Lago Arquimedes, com uma exposição de elementos recolhidos na região e utilizados, no passado, na rega de hortas e pequenas parcelas de terreno, associando-lhes aspetos da ciência envolvida em cada um deles.

PUB

O evento é integrado no Programa 2018 – Ano Europeu do Património Cultural e tem como objetivo “proporcionar momentos de contacto com testemunhos de formas de vida do passado, permitindo aos jovens a avaliação da importância dos progressos tecnológicos e aos menos jovens a evocação de como sacrifícios do passado conduziram ao conforto dos tempos modernos”, explica o Município em comunicado.

Os participantes terão oportunidade, por exemplo, de tirar água do lago com uma picota, empurrar um “burro” e fazer com que os alcatruzes de uma nora elevem a água desde o fundo de um poço até à superfície ou manipular bombas elevatórias de água, em particular uma que funcionou, em tempos num fontanário público do nosso concelho.

PUB

Poderão ainda fazer rodar um “parafuso de Arquimedes” – muito semelhante aos sem fins que elevam a azeitona nos lagares de azeite – e testar as suas capacidades físicas para tentar encher um tabuleiro onde a água vai caindo.

Um “contentor de memórias” funcionará como um pequeno museu onde, a par de algumas imagens de utensílios antigos, um sistema audiovisual vai mostrando passagens de vídeos realizados com a colaboração de habitantes do concelho, com relatos de épocas, factos e lugares de relevante interesse patrimonial.

PUB

Assinalando o Dia Internacional dos Museus em Constância, a atividade termina com a atuação do Rancho Folclórico “Os Camponeses de Malpique” e um “lanche no espeto”, baseado em produtos regionais.

PUB
PUB
José Gaio
Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).