- Publicidade -
Sábado, Janeiro 22, 2022
- Publicidade -

Constância | Bombeiros Voluntários assinalam 95 anos de história e cumprimento da nobre missão

A Associação Humanitária do Bombeiros Voluntários de Constância foi fundada no dia 6 de maio de 1925, tendo assinalado os seus 95 anos de existência na quarta-feira. Fundada com o propósito de proteção de pessoas e bens, designadamente o socorro a feridos, doentes, náufragos e a extinção de incêndios, mantém em atividade e detém até hoje o corpo de bombeiros, constituído por 84 efetivos, incluindo funcionários e voluntários, e mais 30 elementos nas escalas de reserva. Este aniversário representa ainda uma lufada de ar fresco na AHBVC, pois após períodos conturbados e algumas situações de crise financeira, hoje não há nenhuma dívida a funcionários e os ordenados e subsídios estão em dia.

- Publicidade -

Contactado pelo mediotejo.net, o atual presidente da direção, Adelino Gomes, que foi comandante dos Bombeiros Voluntários de Constância até 2019, cargo que ocupou por cerca de duas décadas, fala com emoção e reconhecimento sobre os 95 anos de uma corporação que muito tem dado de si em prol da comunidade.

Bombeiro há mais de 40 anos, Adelino Gomes reconhece que este ano a pandemia trouxe mais desafios à Associação Humanitária, mas que os elementos da corporação têm sido “inexcedíveis”, não se negando a intervir em qualquer necessidade ou contratempo.

- Publicidade -

“São 95 anos de história, de uma corporação que tem passado por algumas dificuldades, já teve grandes glórias também”, disse, referindo que havia intenção de realizar uma cerimónia de aniversário para “festejar condignamente”, que incluiria a tomada de posse do novo comandante, mas a pandemia não deixou levar a cabo o programa.

Ainda assim, há intenção de uma romagem restrita e simbólica aos cemitérios para homenagear e lembrar aqueles que já partiram e deixar uma coroa de flores, “como sinal do agradecimento”.

- Publicidade -

Apesar de a pandemia de covid-19 representar “uma preocupação grande”, reconheceu que “não têm existido problemas de saúde com os operacionais, nem há contaminações pelo novo coronavírus”.

“Temos tido a preocupação de manter a segurança do pessoal, as nossas equipas estão desafasadas, temos mantido e fizemos um esforço muito grande para poder equipar toda a gente com EPI, não permitindo que se facilite”, mencionou.

Adelino Gomes disse esperar que o concelho continue como até agora, “sem grandes riscos” e com números mais positivos no que toca à pandemia de covid-19.

Adelino Gomes, foi comandante dos Bombeiros Voluntários de Constância cerca de duas décadas. Leva já 40 anos de bombeiro. Foto: mediotejo.net

O presidente da direção da AHBV Constância deixou ainda palavra de reconhecimento a quem deu “parte da sua vida, da sua inteligência e do seu bem-estar” e desejou os parabéns “aos bombeiros, tanto os que já por ali passaram e deram o seu esforço, bem como aos bombeiros que ali prestam serviço atualmente, voluntários e funcionários”, sublinhando que têm tido “uma coragem muito grande” nas adversidades, nomeadamente nos últimos anos com os problemas financeiros pelos quais a Associação Humanitária passou.

Adelino Gomes referiu que o trabalho continua a ser feito, dia-a-dia, com os voluntários a continuarem a cumprir a sua escala de serviço.

“Os funcionários fazem emergência e serviços respeitantes ao concelho de Constância, e os voluntários estão a fazer todos os serviços correspondentes à secção, trabalhando de sítios diferentes. Não se cruzam, não fazem aglomerados, mas estamos a cumprir com todos os serviços, emergências e transporte de doentes quando nos pedem”, disse, indicando que a ação continua a ser desenvolvida normalmente e dentro das normas de segurança exigidas.

O presidente da Associação Humanitária admitiu que nos dias que correm os desafios que se colocam sobre os ombros dos corpos diretivos deste tipo de associação são “muito pesados”, sendo que os problemas financeiros acarretam a “situação mais crítica” transversal a todas as associações humanitárias.

Adelino Gomes falou na situação difícil da AHBV Constância e na luta que continua em tribunal num contencioso com o CHMT, sobre a existência de uma dívida de 215 mil euros do Centro Hospitalar à sua corporação, valor que a administração do CHMT não reconhece.

“Temos aguentado isto com muito, muito esforço. Neste momento a ANEPC e a Câmara Municipal de Constância optaram por apoiar quanto ao socorro, num acordo de diretiva financeira, em que criámos uma equipa de cinco elementos suportada pela ANEPC, com o adiantamento das verbas pela Câmara Municipal, que depois deverá acertar as contas”, deu conta, falando-se aqui de um valor de 8 mil euros mensais a pagar até junho.

Por outro lado, reconheceu o subsídio de 15 mil euros dado pela autarquia para a compra de equipamentos de proteção individual.

Quartel dos Bombeiros Voluntários de Constância. Foto: mediotejo.net

O presidente da AHBVC referiu que sempre foi indicada a necessidade de uma “almofada financeira para poder cumprir com os compromissos, desde combustíveis a ordenados”.

“Assinámos há duas semanas um protocolo com uma empresa americana, onde subalugámos as nossas antenas. A tal almofada financeira surgiu, cerca de 45 mil euros, e temos neste momento todos os ordenados e subsídios estão em dia. Não nenhuma dívida a funcionários”, afirmou, assegurando que também as faturas relacionadas com combustíveis estão pagas.

Restam algumas dívidas de peças, que serão pagas “a pouco e pouco, dentro da reserva que a Associação vai conseguindo pagar”, mas a situação está “equilibrada”.

“A equipa diretiva tem feito um esforço muito grande, tínhamos previsto algumas atividades para podermos equilibrar as contas e pagar algumas dívidas, mas a pandemia atual não nos deu possibilidade de o fazer. Ficámos um pouco limitados. Mas os nossos fornecedores também percebem isso”, notou.

Por outro lado, Adelino Gomes aponta o dedo à ANEPC, que “continua a ter dívida para com a AHBVC e outras associações, quanto às despesas de viaturas danificadas nos fogos do ano passado que ainda não foram pagas. Só na nossa conta representa cerca de 43 mil euros”.

“É uma dívida que não se justifica, não faz sentido que a Autoridade Nacional de Proteção Civil tenha esta dívida para com os bombeiros, quando dia 15 de maio começa a outra época de fogos rurais e ainda não pagaram as despesas do ano passado”, afirmou. A dívida trata de falta de pagamento aos fornecedores, e Adelino Gomes lembrou que também estas pessoas estão a passar por dificuldades atualmente.

Para o presidente da AHBV Constância “o futuro passa pelo esforço que cada um de nós vai fazendo, e sempre tentando ultrapassar alguns constrangimentos, contando para isso com o nosso pessoal que tem sido inexcedível nestas situações”.

No dia de quarta-feira também o presidente da Câmara Municipal de Constância, Sérgio Oliveira, deixou uma saudação à corporação de Bombeiros constanciense, nas redes sociais.

“Ao longo destes anos a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Constância tem desempenhado um papel fundamental no apoio, na proteção e no socorro às nossas populações. Neste dia saúdo todos os Bombeiros, os dirigentes, os comandantes e todos os trabalhadores que em conjunto construíram e constroem esta Instituição quase centenária.
Muitos parabéns à nossa Associação Humanitária pelos seus 95 anos de vida”, escreveu o autarca.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome