Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Domingo, Novembro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Constância | Bolinhos, bolinhos, à porta do Museu dos Rios e Artes Marítimas

Para assinalar o Dia de Todos os Santos, 1 de novembro, data em que tradicionalmente se pede os bolinhos, o Museu dos Rios e Artes Marítimas de Constância vai ter as portas abertas das 9:30 às 12:30 para entregar as tradicionais guloseimas da época às crianças.

- Publicidade -

Na próxima segunda-feira, 1 de novembro, a tradição de pedir os bolinhos (ou o pão por Deus) volta à região, com uma frase que vai ecoar pelas ruas: “Bolinhos, bolinhos à porta dos santinhos”. Com esta frase-chave, tem-se acesso a um mundo de guloseimas que vão desde os tradicionais beijinhos até às broas, típicas desta época do ano.

E no sentido de preservar esta manifestação do património cultural imaterial, a Câmara Municipal de Constância, através do Museu dos Rios e das Artes Marítimas, vai ter as portas abertas para entregar os bolinhos a todas a crianças que por lá passem entre as 09:30 e as 12:30.

- Publicidade -

Um pouco sobre a história dos bolinhos…

Recorda a autarquia constanciense que a tradição de pedir os bolinhos terá começado em Lisboa, em 1756, um ano depois do terramoto que destruiu a cidade e que provocou milhares de mortos. “A maioria da população, que já era pobre, ficou ainda mais pobre e como o terramoto aconteceu no Dia de Todos os Santos essa data era aproveitada para desencadear, por toda a cidade, um peditório”, é referido.

Esta tradição espalhou-se por todas as regiões de Portugal e foi-se convertendo numa festa para os mais pequenos. Em Constância, no Dia de Todos os Santos / Dia dos Bolinhos as crianças saíam à rua para pedir os bolinhos, mas a partir dos anos 80 a tradição começou gradualmente a desaparecer. Atualmente, fruto do trabalho em prol da salvaguarda e promoção do património, no dia 1 de novembro as ruas da vila poema voltam a encher-se de crianças a cumprir a tradição.

Abrantina mas orgulhosa da sua costela maçaense, rumou a Lisboa com o objetivo de se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome