CIMT | Cursos Profissionais reforçam competitividade do Médio Tejo (c/vídeo)

O ensino profissional ganha crescente peso nas escolhas dos estudantes, sendo cada vez mais valorizada a componente prática e a preparação para o mercado de trabalho. Na região do Médio Tejo, a aposta para reforçar a competitividade do território assenta na qualificação dos seus recursos humanos e na oferta de mais de uma centena de cursos profissionais nos 13 municípios que agrega.

PUB

A componente prática e a preparação para o mercado de trabalho são cada vez mais valorizadas, num trabalho desenvolvido em estreita parceria com as empresas da região, destaca Maria do Céu Albuquerque, presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT).

“Todos temos a consciência que, para os territórios serem mais competitivos, têm de apostar na qualificação dos seus recursos humanos e que, sendo o Médio Tejo a porta norte de Lisboa, tem todas as condições para ser mais competitivo e criar mais condições para acolher e atrair mais investimento”, defende.

“Para nós”, continua, “é determinante que possamos fazer um investimento claro na educação, em formação e na qualificação de recursos humanos para podermos ganhar este campeonato e sermos mais competitivos”, reforça a presidente da CIMT.

Os cursos profissionais fazem parte da oferta formativa das escolas profissionais (públicas ou privadas), bem como das escolas secundárias da rede pública. A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo funciona como elo de ligação entre os vários operadores de rede da oferta formativa: escolas, agrupamentos de escolas, municípios, Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares e Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional.

“O trabalho desenvolvido pela CIMT, seja nas escolas, seja com os empresários instalados na região, vai no sentido de verificar quais são as necessidades formativas e quais são as oportunidades que este território nos oferece, para que as escolas, profissionais, secundárias e do ensino superior, se possam preparar para fazer face a estas necessidades e a estas oportunidades”, explica Maria do Céu Albuquerque.

“É nesse sentido”, observa, “que o Médio Tejo tem hoje uma carteira de oferta formativa muito alargada, que se quer complementar entre concelhos, no sentido de ser o mais abrangente possível, mas sempre com o foco naquilo que são as necessidades e as oportunidades que as empresas e a nossa região podem oferecer”, reforça, lembrando que a componente prática e a preparação para o mercado de trabalho são cada vez mais valorizadas.

Desde o ano 2000, o número de alunos a frequentar o ensino profissional quadruplicou. Hoje, representam já 48% por cento dos alunos matriculados no secundário e essa adesão tem sido justificada exatamente com a facilidade de entrada na vida ativa, uma vez que, segundo as estatísticas, estes cursos têm uma empregabilidade média na ordem dos 70%, até um ano após a conclusão da formação. Alguns cursos garantem mesmo empregabilidade a 100 por cento.

Além disso, para finalizarem os cursos, os alunos do ensino profissional têm de realizar uma prova de aptidão profissional que consiste na criação e defesa de um projeto perante um júri (com professores, elementos de empresas, parceiros sociais, entre outros). São “obrigados” a criar projetos, a resolver problemas, a serem inovadores e empreendedores. Cerca de 15% acaba mesmo por conseguir financiamento para o seu projeto final de curso e criar o seu próprio posto de trabalho.

Oferta formativa no Médio Tejo

Os cursos disponibilizados pelos estabelecimentos de ensino dos treze municípios do Médio Tejo dão aos jovens a oportunidade de adquirir um vasto leque de competências, com uma forte ligação ao setor empresarial da região.

O ensino profissional pode ser uma opção para os jovens que:

– Tenham concluído o 9.º ano de escolaridade ou formação equivalente;

– Procurem um ensino mais prático e voltado para o mundo do trabalho;

Esta opção não exclui a hipótese de, mais tarde, prosseguir estudos num Curso de Especialização Tecnológica ou do Ensino Superior.

Após a conclusão, com aproveitamento, de um curso profissional, os jovens obtêm o ensino secundário e certificação profissional, conferindo o nível 4 de qualificação do Quadro Nacional de Qualificações.

Aqui pode obter todas as informações sobre as escolas que fazem parte da rede homologada nos 13 municípios do Médio Tejo.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here