Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Dezembro 2, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | Resitejo só tem dinheiro para pagar ordenados e ameaça deixar de recolher resíduos

O Conselho de Administração da Resitejo decidiu dar um prazo até ao fim do mês aos municípios do norte do distrito de Santarém para cumprirem os seus pagamentos. Caso não o façam, é suspenso o serviço de recolha de resíduos (dos ecopontos). A informação foi prestada por Paulo Queimado, autarca da Chamusca e presidente da Resitejo (RSTJ), em reunião de executivo.

- Publicidade -

“Estamos com graves dificuldades de tesouraria”, revelou Paulo Queimado, tendo feito notar uma “situação muito complicada” porque os municípios associados da Tejo Ambiente (Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar e Vila Nova da Barquinha) não estão a fazer o pagamento atempadamente à Resitejo.

“Se até ao final do mês não conseguirmos ter recebimentos da parte dos municípios, vamos começar a suspender os serviços de recolha de resíduos”, garantiu o autarca.

- Publicidade -

Adiantou que a Resitejo apenas tem verba suficiente para pagar os vencimentos dos funcionários, mas não tem mais verba para fazer face a outras despesas como seja combustível e manutenção das viaturas.

“Estamos a falar de lixo. Ninguém o quer em casa, mas ninguém o quer pagar”, resume Paulo Queimado, que se mostra “muito preocupado” com a situação, considerando “inadmissível, nos tempos em que vivemos, os municípios não darem cumprimentos àquilo que está contratualizado”.

Com sede na Carregueira, Chamusca, a RESITEJO, Associação de Gestão e Tratamento dos Lixos do Médio Tejo, convertida na empresa intermunicipal RSTJ, tem como área de intervenção 10 concelhos: Alcanena, Chamusca, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Golegã, Santarém, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. João Oliveira
    Perguntem aos presidentes de câmara em especial aqueles que têm tachos na Tejo Ambiente para onde vai o dinheiro que pagamos e não é pouco nas faturas da água para além de irem para os BMW topo de gama em que os administradores se fazem transporta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome