- Publicidade -

Chamusca | Resitejo está a avaliar impactos ambientais da escorrência de lixiviados

Uma rutura num talude de uma lagoa que recolhe os lixiviados do aterro da Resitejo, na Chamusca, provocou escorrências numa linha de água e em terrenos agrícolas, estando a ser avaliados os impactos ambientais, disse fonte da empresa.

- Publicidade -

Paulo Queimado, presidente da Câmara da Chamusca e do conselho de administração da Resitejo, disse à Lusa que a rutura foi descoberta cerca das 08:00 do passado dia 08, estimando-se que o lixiviado tenha escorrido durante mais de uma hora.

Segundo o autarca, o incidente foi de imediato comunicado ao Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR e à Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT), que estiveram no local, tendo a Resitejo contactado ainda um laboratório para recolha de análises às águas e terrenos que podem ter sido contaminados e cujos resultados espera divulgar na próxima reunião da Comissão de Acompanhamento do Ecoparque do Relvão.

- Publicidade -

A situação mereceu uma pergunta ao Governo entregue no parlamento pela deputada do Bloco de Esquerda eleita pelo distrito de Santarém, Fabíola Cardoso, e pelo deputado Nelson Peralta, os quais questionam o Ministério do Ambiente sobre as conclusões das ações inspetivas realizadas e o apuramento de responsabilidades pelo ocorrido.

Os deputados perguntam ainda que medidas, e quando, vão ser tomadas para resolver os problemas de armazenamento e tratamento de lixiviados no Eco Parque do Relvão e impedir que ocorram situações semelhantes no futuro.

Paulo Queimado disse à Lusa que existe uma dificuldade a nível nacional para tratar os lixiviados, declarando que foi aberto um concurso para tratamento de mil toneladas de lixiviado, mas os processos que estão disponíveis propõem preços “incomportáveis”, duas a três vezes superiores ao normal.

Segundo o autarca, a Resitejo dispõe de três lagoas mais uma criada provisoriamente, que, com a chuva registada este inverno, esgotaram a sua capacidade, recorrendo ainda ao sistema da Ecodeal (um dos dois centros de tratamento de resíduos perigosos existentes no Ecoparque do Relvão).

O facto de estarem a quase 100% levou a que fossem erguidos, “a título preventivo”, taludes de terra em volta das lagoas e criadas equipas que verificam a situação de duas em duas horas, disse, adiantando que foi uma dessas equipas que detetou a rutura.

Paulo Queimado afirmou que o plano de investimentos da Resitejo não prevê aumentar o número de lagoas, apostando no tratamento, tendo inscritos mais de 500.000 euros para a melhoria do sistema de drenagem e de recolha de águas residuais.

O sistema dispõe de um tratamento por osmose inversa, cujas águas originam o curso de água agora afetado e que desagua no meio de campos agrícolas, estando a ser estudada com a Administração da Região Hidrográfica do Tejo a reposição da ligação original da linha de água ao Tejo, disse.

O autarca disse que, na sequência da escorrência, foram recebidas queixas de proprietários agrícolas quanto à cor da água que inundou os seus campos e por alguns animais terem tido episódios de diarreia, tendo sido solicitado relatórios aos veterinários para verificação se esta foi a causa direta.

Assim que a rutura foi detetada foi erguida uma barreira de contenção, tendo as terras usadas nessa barreira sido depois levadas para aterro por estarem contaminadas, adiantou.

A Resitejo gere e trata os resíduos sólidos urbanos produzidos em 10 municípios do distrito de Santarém – Alcanena, Chamusca, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Golegã, Santarém, Tomar, Torres Novas e Vila Nova de Barquinha.

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).