Chamusca | Recolha seletiva nos ecopontos pode sofrer atrasos – Resitejo

A Resitejo – Sistema Intermunicipal de Lixos do Médio Tejo, entidade responsável pela recolha e tratamento dos resíduos dos ecopontos na região, está a tentar “garantir a mais normal prestação de serviços possível”, segundo o seu Administrador Delegado. Mas Diamantino Duarte reconhece que “pode vir a acontecer que a recolha das embalagens seletivas (ecopontos) possa vir a sofrer alguns atrasos”.

Numa altura em que o país se encontra em estado de emergência devido à pandemia da Covid-19, serviços como a recolha do lixo não podem parar. E no caso da Resitejo, entidade que abrange 10 Municípios, o desafio de continuar a funcionar de forma regular, com todas as contingências e riscos, é um desafio permanente.

O jornal digital mediotejo.net colocou algumas questões a Diamantino Duarte sobre o processo de recolha e tratamento de resíduos nesta fase.

PUB

Diamantino Duarte, Administrador Delegado da Resitejo. Foto: DR

Durante este período de contingência o que muda na recolha de resíduos nos concelhos abrangidos pela Resitejo?

Atendendo ao período que o país vive e atendendo à importância do serviço que a Resitejo presta, foram tomadas as medidas entendidas como necessárias para garantir a mais normal prestação de serviços possível. As medidas tomadas garantem a transferência de todos os resíduos urbanos indiferenciados produzidos nos diversos concelhos que servimos, para tratamento na Resitejo. Por este motivo pode vir a acontecer que a recolha das embalagens seletivas (ecopontos) possa vir a sofrer alguns atrasos. Assim temos vindo a lançar junto das populações, avisos para que sempre que se dirijam a estes locais de deposição e os mesmos se encontrem cheio devem guardar este tipo de resíduos em casa e aguardar o esvaziamento daqueles equipamentos

Como tem estado a decorrer o processo de recolha nos diferentes municípios?

Até esta altura de forma normal.

Nas instalações da Resitejo na Carregueira, os trabalhos prosseguem com normalidade, por exemplo o processo de separação?

Até este momento toda a operação está a decorrer de forma normal.

Há necessidade de reforçar os recursos humanos?

Neste momento ainda não é necessário recorrer a mais pessoal.

Mas foram dispensados alguns trabalhadores?

Sim, decorrente das medidas tomadas pelo governo foram dispensados os colaboradores que por assistência à família tinham esse direito.

Que medidas de proteção adicionais foram implementadas na Resitejo por causa do Coronavírus?

Foi implementado o plano de contingência elaborado para este fim, que contempla o reforço das medidas de auto proteção de higiene e segurança para todos os colaboradores. Foram ainda tomadas outras medidas, tais como a atribuição de novos horários para a realização de determinadas recolhas e suspensas todas os trabalhos de sensibilização que se encontravam a decorrer.

Com as pessoas mais tempo em casa e menos empresas a laborar há maior ou menor produção de lixo?

Neste momento ainda não é possível poder ter certezas sobre este assunto. Só poderemos ter algumas indicações quando se realizar [e contabilizar] o fecho do mês de março.

Em relação ao processo de recolha seletiva porta-a-porta que está a ser implementada em alguns concelhos, há alguma alteração?

Este processo foi suspenso parcialmente, isto é; nos concelhos onde já estava a decorrer a recolha (Constância e Chamusca) mantivemos as recolhas, nos concelhos onde se estava a iniciar os contactos com as populações foi suspenso todo o processo.

A Resitejo abrange os concelhos de concelhos de Alcanena, Chamusca, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Golegã, Santarém, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha.

Garante cerca de 280 postos de trabalho e processa anualmente cerca de 150 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos e cerca de 10 mil toneladas de embalagens em recolha seletiva.

 

PUB
José Gaio
Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).