Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quinta-feira, Maio 13, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | Problemas de tesouraria da Resitejo ficaram resolvidos, garante Paulo Queimado

Durante quase três meses, a Resitejo (RSTJ) não registou entrada de receitas o que originou graves problemas de tesouraria, ao ponto de a empresa intermunicipal ter recebido um aviso de corte de eletricidade, revelou o Presidente do Conselho de Administração. Paulo Queimado falava no dia 20 durante a reunião da câmara da Chamusca, à qual também preside.

- Publicidade -

O autarca contextualizou a origem do problema e o seu objetivo quando partilhou publicamente as dificuldades daquela empresa intermunicipal. Depois do ultimato dado pelo Conselho de Administração da RSTJ (do qual fazem parte os municípios de Chamusca, Torres Novas e Ferreira do Zêzere), a Tejo Ambiente e os municípios de Santarém e Torres Novas iniciaram o processo de regularização das suas dívidas no valor aproximado de 700 mil euros.

Paulo Queimado explicou que, nos serviços jurídicos dos maiores municípios acionistas da RSTJ (Santarém e Torres Novas) surgiu uma dúvida relacionada com o EVEF – Estudo de Viabilidade Económica e Financeira.

- Publicidade -

É que, após o visto do Tribunal de Contas, o EVEF sofreu alguns ajustamentos por recomendação da ERSAR – Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos. Aqueles municípios entendiam que o documento deveria ser novamente submetido ao Tribunal de Contas e durante esse impasse não cumpriram os pagamentos pela recolha de resíduos.

A juntar a isto, estiveram também os problemas de tesouraria da Tejo Ambiente, empresa que tinha pagamentos em atraso à RSTJ, conforme revelou publicamente o autarca da Chamusca.

Na última Assembleia Geral ficou decidido enviar-se a mais recente versão do EVEF ao Tribunal de Contas para que seja emitido o respetivo visto.

Depois desta “partilha das dificuldades” da RSTJ, os problemas de tesouraria ficaram resolvidos, concluiu Paulo Queimado.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome