Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca  | Plano Anual de Educação assinala 50 anos da chegada do Homem à Lua 

A efeméride dos 50 anos da chegada do Homem à Lua, que aconteceu em julho de 1969, é o mote do Plano Anual de Atividades para a Educação do Município da Chamusca no ano letivo de 2018/2019.

- Publicidade -

O plano apresenta os principais projetos e as iniciativas a realizar nas escolas do concelho e cujo fio condutor é o tema “Pequenos GrandEsPaços”, assinalando desta forma várias efemérides: além dos 50 anos da chegada do Homem à Lua, os 100 anos da Existência da União Astronómica Internacional e ainda os 100 anos das observações que vieram comprovar a Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein.

Desta forma, o Município propõe “uma reflexão sobre a importância do espírito de aventura e da busca pelo conhecimento que moveu sempre a Humanidade em direção às grandes descobertas. Sem receios de ambicionar mais do que a realidade imediata mostrava e permitia”, explica a Autarquia em comunicado.

- Publicidade -

O plano anual de atividades vai ao encontro do novo enquadramento legislativo que define metas de acordo com “O Perfil do Aluno à saída da escolaridade obrigatória”. Isto significa “na prática que se procura privilegiar a educação global do aluno, a sua cultura científica e artística com uma base humanista e de participação cívica na sociedade”, esclarece a Câmara que pretende “dar ferramentas aos alunos para projetarem o seu futuro e traçarem objetivos de vida”.

Ao mesmo tempo, o plano anual de educação está também de acordo com o projeto do Agrupamento de Escolas da Chamusca para o triénio de 2018-2021 e que assenta em três conceitos: “Consistência, Colaboração e Inovação”.

“Queremos que os nossos alunos tenham a capacidade de elaborar o desejo, queremos que a educação seja a forma de descobrir, valorizar e reforçar o desenvolvimento pessoal. A educação serve para podermos sonhar o futuro”, refere a Vice-Presidente da Câmara Municipal da Chamusca e Vereadora com o Pelouro da Educação, Cláudia Moreira, no texto que assina no prefácio do documento do Plano Anual de Atividades. Acrescenta ainda que “somos feitos do que lemos, do que vivemos, do que imaginamos” e que “a educação transforma as pessoas em cidadãos participativos e responsáveis”.

Ambicioso, o projeto visa ainda ajudar a combater as múltiplas iliteracias – da leitura e da escrita – mas também a numeracia. Procura ainda incrementar a utilização das novas tecnologias da informação e da comunicação, alinhando as iniciativas a realizar com os Objetivos da Agenda 2030 e das suas 169 metas para transformar o Mundo.

Relacionando o contributo das várias ciências para a melhoria da qualidade de vida, o projeto não esquece a importância da História de Portugal e de como os portugueses conseguiram partir à aventura do desconhecido nos Descobrimentos. Por isso, as atividades propostas para as disciplinas de História e de Português vão entrecruzar obras, poemas e textos que remetem para o sonho, para o mar e para a busca pelo impossível.

Observatório da Educação avalia medidas 

No Município da Chamusca, a educação é considerada “uma área prioritária para o desenvolvimento global do concelho, e o objetivo central é de garantir aos alunos a igualdade no acesso a uma educação de excelência, desde o pré-escolar ao ensino secundário”. Para garantir que a informação chega a todos foi criado o Observatório da Educação do Município da Chamusca, designado como o OBe2140. Este observatório vai reunir a informação que existe sobre o trabalho desenvolvido nas escolas e é um espaço aberto aos contributos da comunidade educativa, desencadeando processos participativos.

Já se encontra em atividade no Concelho a equipa multidisciplinar de intervenção comunitária, ao abrigo do Plano Integrado Inovador de Combate ao Insucesso Escolar da Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo, um projeto financiado pelo Fundo Social Europeu, enquadrado no Alentejo 2020. Esta equipa desenvolve na Chamusca um Programa de Mentoria, uma Academia Móvel de Inteligência Emocional e o Programa de Educação Parental Positiva.

A partir deste mês de outubro, às terças e sextas feiras, realiza-se uma Oficina de Artes para jovens dos 11 aos 21 anos (com dança, canto, música e expressão dramática), cujas principais atividades da área da educação podem ser consultadas na Agenda dos Serviços Educativos, com o nome de “Quantos Queres”, numa alusão ao conhecido jogo de papel dobrado.

Referência ainda para a Academia Faz Acontecer, “um projeto de educação não-formal, que pretende desenvolver as soft skills dos jovens estudantes do ensino secundário e profissional, sobretudo as que estão relacionadas com o empreendedorismo e desenvolvimento de negócios”, explica a Autarquia em comunicado. Neste âmbito, estão previstas para dia 14 de novembro várias palestras e, nos dias 23, 24 e 25 de novembro, bootcamps.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome