- Publicidade -

Domingo, Dezembro 5, 2021
- Publicidade -

Chamusca | Partidos apresentam no Parlamento documento único em defesa das acessibilidades

Os vários partidos com assento na Assembleia da República vão apresentar um projeto de resolução único em defesa das acessibilidades nos concelhos da Chamusca e Golegã, um consenso raro, conforme realçou o Presidente da Câmara da Chamusca, Paulo Queimado, na reunião de Câmara do dia 17.

- Publicidade -

Tema recorrente e “em cima da mesa” há vários anos, as acessibilidades naquela região do Ribatejo representam um forte constrangimento no desenvolvimento económico sobretudo para o Eco Parque do Relvão, complexo industrial localizado na Chamusca onde estão instaladas dezenas de empresas e várias unidades de tratamento de resíduos.

Reivindicação dos empresários e autarcas da região, sobretudo da Chamusca, o fechar do IC3 permitiria ligar a A23 à A13, de Vila Nova da Barquinha a Almeirim, com uma nova travessia sobre o rio Tejo, para a qual já foi feito um estudo prévio e estudo de impacte ambiental.

- Publicidade -

Já em 2015, o PETI3+ – Plano Estratégico de Transportes e Infraestruturas 2014-2020, considerava estruturante a conclusão do IC3 VN Barquinha / Chamusca / Almeirim. A nova ponte, orçada em 100 milhões de euros, seria construída a sul da atual ponte Isidro dos Reis, inaugurada em 1909.

A realidade atual mostra que esta ponte, centenária, não responde às necessidades e não está preparada para tráfego pesado, tal como as vias e caminhos municipais que atravessam as localidades da região.

Diariamente, quer do lado da Chamusca, quer do lado da Golegã, para atravessar o rio Tejo na ponte Isidro dos Reis, formam-se filas de viaturas ligeiras e pesadas às vezes de vários quilómetros.

Domingos Saraiva, diretor executivo da Associação Eco Parque do Relvão, tem alertado para este problema com consequências negativas para as empresas instaladas no Eco Parque.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome