Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Outubro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | Obra do Skate Park prestes a começar

Se tudo correr como previsto, as obras de construção do Skate Park da Chamusca começam durante o mês de outubro. Pelo menos é essa a previsão da Câmara Municipal da Chamusca para este equipamento que vai ser construído no Bairro 1º de Maio e que vai permitir a prática de três modalidades: BMX, Patins em Linha e Skate.

- Publicidade -

O valor da adjudicação é de 129.200.44 euros, sendo de notar que a obra é integralmente suportada pela autarquia. O prazo de execução da empreitada é de 90 dias.

O Skate Park da Chamusca, um equipamento há muito desejado pelos jovens do concelho, vai ocupar uma área de 1.314m2.

- Publicidade -

A estrutura das quatro rampas previstas no projeto é feita em sarrafos e tábuas de pinho silvestre (casquinha vermelha) com o adequado tratamento. As questões da segurança não foram descuradas e todo o equipamento será construído de modo a que os perigos sejam minimizados.

Na base deste projeto está uma história curiosa que nos foi relatada pelo próprio presidente da Câmara. Tudo começou quando Paulo Queimado recebeu uma mensagem pelo facebook de um menino de 11 anos, residente na vila. Benjamim pedia uma reunião com o autarca. Marcada a reunião, Benjamim apareceu nos Paços do Concelho munido de vários papeis com desenhos de skate parks, uma proposta de localização para o skate park da Chamusca e cerca de 300 assinaturas de outros adolescentes e jovens a manifestarem apoio ao projeto.

“Achei isto espetacular”, disse o presidente da Câmara. Entusiasmado com a ideia e com a coragem e empenho do pequeno Benjamim, o autarca iniciou alguns contactos. O projeto começou a ganhar forma envolvendo a Academia dos Patins e o próprio Benjamim.

Pensado inicialmente para um orçamento de 20 mil euros, o projeto vai resultar num “megaskate park com impacto regional, para três modalidades”, conforme salienta Paulo Queimado.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome