Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | “O homem que tirava retratos”, este sábado, na Biblioteca

A Biblioteca Municipal da Chamusca recebe este sábado à tarde, dia 11 de janeiro, às 16:00, o poeta Martinho Branco, para a apresentação do livro que lhe valeu o Prémio Literário do Médio Tejo em 2018, na categoria de Poesia, “O homem que tirava retratos”.

- Publicidade -

Nascido em Riachos, Torres Novas, Martinho Branco reside no Entroncamento, é professor na Escola EB1 de Azinhaga, na Golegã, e faz parte do movimento internacional Poetrix desde 2001. Apesar de ter obra publicada de forma dispersa, este é o seu primeiro livro em nome individual.

O professor António Mário Santos descreveu no prefácio do livro a importância da sua adesão à corrente brasileira Poetrix, criada pelo poeta baiano Goulart Gomes, no final da década de 90. “O fotógrafo-poeta sintetiza no terceto, através da metáfora, da imagem, o clique do disparo da máquina contida no título. A armadilha está no isco, não na pesca.”

- Publicidade -

Para António Matias Coelho, presidente da Associação Casa-Memória de Camões e membro do júri do Prémio Literário do Médio Tejo, “Martinho Branco é um mestre da palavra, e um mestre a surpreender-nos com o que é possível fazer com as palavras”. Este é, diz, “o livro de um homem muito sensível”, por onde perpassam uma série de emoções. “Fala-nos de amor e da natureza, chama a atenção para causas sociais, fazendo por exemplo a denúncia do analfabetismo, da exploração, da pobreza. Fala-nos também da ‘cidade que se esquece de ser feliz’, na correria dos dias. É portanto um livro de preocupações, de inquietações, de revoltas também.”

O Prémio Literário do Médio Tejo, uma iniciativa da Médio Tejo Edições com o apoio do TorreShopping e da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, premiou em 2017 as obras “20 poemas de dores e amores”, de António Lúcio Vieira (Poesia), “na massa do sangue”, de Evelina Gaspar (Romance) e “O Arneiro – 100 anos depois da Guerra”, de Paulo Jorge de Sousa (Não-Ficção). Em 2018, além de Martinho Branco na Poesia, foi distinguida a obra de Não-Ficção “A Árvore Cantante”, de Paulo Alves. O júri entendeu não atribuir, em 2018, o prémio de Romance.

Os vencedores de 2019 serão revelados no final de janeiro de 2020.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome