Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Novembro 27, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | Município comemora Abril e aniversário dos Bombeiros

Na Chamusca, 25 de Abril significa festejar a liberdade mas também mais um aniversário da corporação dos Bombeiros. O Município juntou no mesmo programa as comemorações oficiais do 25 de abril e o 69º aniversário da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Chamusca.

- Publicidade -

O dia começa com a romagem ao cemitério e missa de sufrágio pelos dirigentes e bombeiros falecidos. Segue-se às 10.30 horas o hastear da Bandeira nos Paços do Concelho e na Sede-Quartel dos Bombeiros.

A comemoração do 69º aniversário da corporação começa às 11.15 horas com a parada junto ao Quartel dos Bombeiros e a bênção de viaturas.

- Publicidade -

Da parte da tarde, para as 15 horas está marcada a Sessão Solene da Assembleia Municipal da Chamusca, comemorativa do 45º aniversário do 25 de Abril no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

A terminar as comemorações, o grupo “Abril Vezes Mil” traz até à Chamusca as canções mais emblemáticas da geração que lutou pela liberdade num a partir das 16 horas, no Cineteatro.

Temas como “Venham Mais Cinco”, “Maio Maduro Maio”, “Depois do Adeus”, “A Formiga no Carreiro”, “Traz Outro Amigo Também”, “Maré Alta”, “Tourada” e “Os Vampiros”, entre outros são apresentadas ao público com novos arranjos e novas sonoridades fruto da criatividade dos músicos que integram este projeto: Ana Castelo na voz (dos projetos Danação do Sol / Ortigões /Fado Lelé) Luciano Barros no baixo (integra banda de Paulo Gonzo, Porquinhos da Ilda/ V12/ Império dos Sentados / Fado Lelé), Miguel Castro nas guitarras e ukulele (Porquinhos da Ilda/Dina/ Fado Lelé/ Sleepy Rust/Os Eléctricos) e Luís Gaspar na bateria (Os Eléctricos/ Fado Lelé/ Orquestra da Escola de Jazz do Barreiro).

Com organização do Município da Chamusca e Produção de Abril Vezes Mil, o espetáculo tem entradas pagas (5 euros).

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome