Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Setembro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | Junta de Freguesia consegue financiamento para projeto “Carregueira a compostar”

A Junta de Freguesia da Carregueira apresentou uma candidatura da ao Aviso “Economia Circular em Freguesias – Programa JUNTAr +”, cujo projeto “Carregueira a compostar” foi aprovada pelo Fundo Ambiental.

- Publicidade -

O projeto, que visa desenvolver um sistema para aproveitamento de resíduos verdes e orgânicos para a produção de composto orgânico assente nos princípios da economia circular, obteve a 8ª melhor classificação (4,6 em 5 pontos possíveis) da centena de candidaturas apresentadas a nível nacional conforme se lê no “Relatório Preliminar – Economia Circular em Freguesias”.

Os resíduos com origem nas habitações locais, em pequenas produções agrícolas e em espaços agrícolas intensivos, serão destinados a empresas da região que já realizam compostagem com base em resíduos orgânicos.

- Publicidade -

Conforme explica a Junta em nota de imprensa, “o Projeto proposto enquadra-se num modelo de economia circular local, fechando dentro da região o ciclo de nutrientes através da utilização do composto produzido nas explorações agrícolas e nas habitações na freguesia”.

“Carregueira a compostar” é um projeto piloto de mobilização da comunidade que será enriquecido com ações de formação e sensibilização dinamizadas pela Junta de Freguesia em parceria com a Associação Eco-Parque do Relvão. Prevê um valor global de 28.290 euros e será financiada em 24.046,50 euros.

Para Joel Marques, Presidente da Junta de Freguesia da Carregueira, “a aprovação desta candidatura vem dar continuidade às políticas de sustentabilidade e resiliência do território da Freguesia, prosseguindo outras boas práticas já implementadas pela Autarquia que levaram no passado dia 6 de Junho à recondução do galardão Eco Freguesia XXI.”

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome