Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sexta-feira, Setembro 17, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | Executivo “muito preocupado” com falta de médicos (c/ áudio)

Todas as extensões de saúde do concelho da Chamusca estão sem consultas médicas, revelou o Presidente da Câmara na reunião do dia 27 de julho, um problema que “está a preocupar imensamente o Município”.

- Publicidade -

- Publicidade -

Paulo Queimado referiu perante os restantes membros do Executivo que diariamente recebe informações, sobretudo das freguesias rurais, de que não há médicos e não há consultas.

ÁUDIO | Paulo Queimado, presidente da CM Chamusca

- Publicidade -

À crónica falta de médicos, junta-se a deslocação de profissionais para apoio ao centro de vacinação e o período de férias.

Mas se neste mês de julho a situação é “muito preocupante”, o autarca fez saber que será “ainda pior” em agosto: “Vai ser muito mais complicado”.

O Presidente da Câmara disse que nos últimos dias falou duas vezes com o Diretor Executivo do ACES da Lezíria, Carlos Ferreira, “para tentar resolver esta situação”, sublinhando estar o Município “do lado da solução”. “É impossível manter uma situação destas”, acrescentou.  

Paulo Queimado já apontou aos responsáveis algumas soluções quanto ao apoio à contratação de médicos, estando o Município disponível para ceder habitação, “como já foi feito noutras alturas” e garantir transportes aos profissionais, mas o que é facto é que “o ACES não consegue dar resposta porque não têm médicos”.

Nos meios rurais, onde a situação é mais grave, se não fossem as Juntas de Freguesia a garantir transporte às populações para o centro de saúde da vila em situação de urgência, muitas pessoas ficariam sem possibilidade de consulta.

Os cinco elementos do Executivo acordaram mostrar-se disponíveis “para estar do lado da solução” e aprovaram continuar a fazer pressão junto do ACES e da ARS para que coloque médicos no concelho, nem que para isso tenha de se contratar médicos estrangeiros.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome