Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Julho 31, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | Está aí o 2º Festival de Arte Urbana em Ulme e Semideiro

A pouco e pouco a freguesia de Ulme, no concelho da Chamusca, está a tornar-se numa referência quanto a arte urbana, uma galeria de arte a céu aberto´”, nas palavras do Presidente da Junta. O projeto Pin´Arte – Festival de Arte Urbana em contexto rural começou em 2019 e resultou numa série de obras de arte espalhadas por Ulme e Semideiro, sendo de destacar a pintura do músico chamusquense José Cid. Este ano, o 2º Pin´Arte decorre entre 11 setembro e 11 outubro com intervenções em
Ulme e Semideiro através de uma dezena de artistas.

- Publicidade -

A calendarização prevista contempla performances do artista MIUDO de 11 a 14 de setembro.  Seguem-se, nos dias 12 a 13, Ricardo Gonçalves, MaluKartes e Roque e Companhia. Entre 14 e 17 é a vez de Vasco Maio e o mês termina com BIGOD noas dias 26 e 27.

Mas o festival não acaba por aqui. De 1 a 6 de outubro Catarina Glam mostra os seus trabalhos de escultura e de 10 a 11 de outubro Óscar Rodrigues apresenta obras de escultura feitas com motoserra.

- Publicidade -

De 11 de setembro a 11 de outubro Mário Pereira revela o seu projeto Small Animals.

Há ainda uma exposição de espantalhos construídos pelos alunos da Universidade Sénior de Ulme e Semideiro e uma instalação artística do 1º baloiço panorâmico da Freguesia.

A origem do nome do festival, Pin´Arte, deve-se à junção da alcunha dos habitantes de Ulme (Pinéus) com arte.

Para o Presidente da Junta, Mário Ferreira, esta “é mais uma oportunidade para visitar a Freguesia e poder assistir ao vivo à realização dos trabalhos dos diversos artistas, bem como no final do evento visitar a freguesia que se está a tornar  uma galeria de arte a céu aberto´”.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome