Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Setembro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | Câmara vota contra e critica Plano de Inovação do Agrupamento de Escolas (c/áudio)

No Conselho Geral do Agrupamento de Escolas da Chamusca, realizado no final de março, o Município, representado pela vice-presidente Cláudia Moreira, foi a única entidade a votar contra o Plano de Inovação do Agrupamento. A autarca teve oportunidade de justificar esta posição na reunião de Câmara do dia 6 de abril, realizada por videoconferência.

- Publicidade -

“Este Plano de Inovação não faz jus, nem pouco mais ou menos, a todo o investimento que tem sido feito na área da educação, ao trabalho que tem vindo a ser feito e ao que está a ser preparado”, argumentou Cláudia Moreira.

- Publicidade -

Para a autarca, no documento “não bate a bota com a perdigota”. Considera que a única novidade que traz é a divisão do ano letivo em dois semestres. Por isso, na reunião do Conselho Geral apresentou “uma série de propostas que deveriam ter sido incluídas neste plano, tendo em conta todo o trabalho e investimento que tem sido feito quer pela autarquia quer pelo agrupamento”.

A utilização dos laboratórios, a Semana Aberta, a reafetação dos equipamentos adquiridos para ensino à distância e os novos modelos pedagógicos são aspetos que, na ótica da responsável pelo pelouro da educação, deveriam estar vertidos no Plano de Inovação.

Para colmatar estas e outras falhas, o Município disponibilizou-se para “colaborar em tudo aquilo que for necessário para a produção deste tipo de documentos”.

Segundo Cláudia Moreira, o Diretor do Agrupamento, Fernando Miranda, disse que todas as sugestões eram extremamente pertinentes e que futuramente iriam ser integradas num projeto pedagógico. Ao mesmo tempo, justificou as falhas com os prazos apertados para apresentação do documento.

Reunião da Câmara da Chamusca por videoconferência. Foto: DR

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome