Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Agosto 6, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | Câmara combate praga de pulgas no Pinheiro Grande

Já se sabe qual foi a causa da praga de pulgas que atingiu a rua do Miradouro, na localidade de Pinheiro Grande, concelho da Chamusca. Pelo que revelou o Presidente da Câmara na reunião do dia 18, o problema surgiu depois de um cão, “que devia ter muitas pulgas”, ter morrido num terreno daquela rua e ali permanecer “dois ou três dias”. Quando um animal morre, as pulgas procuram outro hospedeiro e foi isso que provocou a praga.

- Publicidade -

“Fomos alertados pelos moradores e de facto havia muitas pulgas, não era uma nuvem, mas havia muitas pulgas”, reconhece Paulo Queimado.

Assim que soube do problema, o autarca contratou uma empresa especializada e mandou desinfestar a via pública “até aos sítios onde era possível ir”. Antes disso, já um dos moradores tinha desinfestado a sua propriedade.

- Publicidade -

A operação contratada pela Câmara está a ser repetida diariamente no sentido de se minimizar o impacto das pulgas.

Alguns dias depois de iniciado o tratamento “já se notou uma redução significativa da praga”, acrescentou o Vereador Rui Ferreira (PS) na mesma reunião. Para comprovar, explicou que um funcionário vestido com equipamento branco andou a circular rua abaixo, rua acima e não foi detetado qualquer parasita na roupa. Alguns moradores já estiveram na rua a brincar com os filhos e também não notaram a presença de pulgas.

“Aquilo foi uma coisa muito localizada ao pé de duas ou três casas”, acrescenta Rui Ferreira. “Não quer dizer que não volte a aparecer”, ressalva, garantindo a monitorização da praga.

Na reunião de Câmara, onde o problema foi levantado pela vereadora Gisela Matias (CDU), foi referido que, naquela zona, também há cabras e ovelhas que podem ser portadores de pulgas.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome