Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Novembro 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | Câmara aprova orçamento de 14,2 milhões de euros para 2021

A Câmara Municipal da Chamusca aprovou por maioria PS, em reunião extraordinária de executivo, as Grandes Opções do Plano, o Orçamento e o Mapa de Pessoal para 2021. O documento, que assenta num valor global de 14 milhões e 252 mil euros, superior em cerca de 2 milhões em relação ao ano anterior, mereceu o voto contra do vereador Rui Rufino (Chamusca é o meu Partido) e a abstenção da vereadora Gisela Matias (CDU).

- Publicidade -

O Presidente da Câmara, Paulo Queimado (PS), começou por explicar que há verbas ainda não previstas neste orçamento, como o empréstimo com o qual a Câmara vai reabilitar a estrada entre Ulme e Semideiro e investir na regeneração urbana. Prevê-se um acréscimo de cerca de 4 milhões de euros em fevereiro, anunciou.

O autarca apontou como grandes projetos a regeneração urbana, aquela estrada, a EB 2/3 da Chamusca, a ampliação do Eco-Parque do Relvão, a habitação e o apoio às famílias e às empresas.

- Publicidade -

A vice-presidente, Cláudia Moreira (PS), realçou o rigor do orçamento e a gestão dos últimos anos que, na sua opinião, permitiu a redução do passivo e a realização de investimentos importantes para o concelho.

Congratulou-se com o facto de, numa altura de pandemia, haver ainda margem de manobra para se apresentar um orçamento que permite implementar medidas de apoios às famílias e às empresas, bem como concretizar “projetos determinantes”.

O vereador Rui Ferreira (PS) considerou ser um “orçamento realista, equilibrado, com equidade territorial e que vai ao encontro das necessidades da população”.

A vereadora Gisela Matias (CDU) questionou algumas rubricas e lamentou que sejam curtas as verbas previstas para o Cais de S. Marcos e o Centro de Interpretação do Tejo, entre outros. Absteve-se na altura da votação.

O vereador Rui Rufino (Chamusca é o meu Partido) desvalorizou o documento (“não aquece nem arrefece”) e votou contra.

No final gerou-se uma discussão entre a oposição e a maioria pelo facto de não estarem incluídos nos documentos os contributos dos dois vereadores da oposição.

As Grandes Opções do Plano, o Orçamento e o Mapa de Pessoal para 202 seguem agora para a Assembleia Municipal que vai reunir a 18 de dezembro.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome