Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Maio 11, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Chamusca | Ana Candeias “Pita” regressa para mostrar a sua obra

Até este domingo, 21 de outubro, a Galeria dos Paços do Concelho da Chamusca tem patente uma exposição de pintura de Ana Candeias, de nome artístico “Pita”. A pintora nasceu na Chamusca em 1982 mas emigrou com o seu irmão, após a morte da mãe de ambos. Por isso, esta exposição representa um regresso à sua terra natal.

- Publicidade -

Na inauguração, que contou com as presenças do Presidente da Assembleia Municipal, Joaquim José Garrido, do Presidente da Câmara Municipal, Paulo Queimado, da vice-presidente Cláudia Moreira, do vereador em regime de permanência, Rui Ferreira, a artista guiou os presentes pela exposição que reflete o seu estilo em que predominam as cores fortes e as formas geométricas, com pequenos apliques de peças de cunho mais decorativo.

Uma das obras de “Pita”, em exposição na Chamusca. Foto: DR

- Publicidade -

Ana Candeias começou por revelar gosto pelo desenho e pela pintura ainda muito jovem, mas apenas por lazer. A arte esteve sempre presente na sua família pelo exemplo da sua mãe, Maria José Candeias, que foi a primeira mulher em Portugal a trabalhar peças de arte em ferro forjado. Foi graças ao seu apoio que Ana começou a desenhar e expor os primeiros quadros. Contudo, a morte da sua mãe, e a dificuldade para manter o negócio que a família tinha em Portugal, levou Ana Candeias e o seu irmão a rumarem ao estrangeiro e, nessa altura, Ana colocou a pintura de parte. Só regressa em força à sua vida alguns anos depois, em 2012, quando, depois de ter passado pela Holanda e pelo Canadá, se instala na região francesa de Royan e decide abrir um atelier em Mornac-sur-Seudre.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome