Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Outubro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

CDS quer saber se problema com água do Tejo tem origem em Portugal ou Espanha

Os deputados do CDS-PP Patrícia Fonseca, Álvaro Castello-Branco e Ilda Araújo Novo questionaram hoje o Governo sobre o alerta da Agência Portuguesa do Ambiente relativo ao agravamento da qualidade da água do rio Tejo.

Na pergunta dirigida ao Ministro do Ambiente, os deputados do CDS-PP querem saber se a tutela tem conhecimento do estado da água do rio Tejo à entrada em Portugal, nomeadamente na barragem de Cedillo, e se o ministro “pode assegurar que a degradação da água do rio Tejo não se verifica antes de Perais”.

Na pergunta dirigida ao Governo, e a que o mediotejo.net teve hoje acesso, os deputados questionam se “foram feitas recolhas de amostras nas estações a montante de Fratel e quais os parâmetros de qualidade encontrados” nessas estações, e se “foram feitas medições abaixo da barragem de Fratel e como se justifica a falta de caudal acima de Fratel e situação diferente abaixo de Belver”.

No mesmo texto pode ler-se, ainda, e “não existindo o mesmo problema em Espanha, se a origem do problema é apenas o baixo caudal libertado por Espanha ou se se deve também a fontes de poluição no troço português do rio Tejo” e, finalmente, que “medidas estão a ser tomadas no sentido de clarificar a origem real e solucionar o problema”.

A Agência Portuguesa do Ambiente, através de um comunicado publicado na sua página de internet, emitiu a 22 de agosto um “alerta de agravamento da qualidade da água do rio Tejo”.

No texto, refere-se que, «face ao agravamento da qualidade da água do rio Tejo, na albufeira de Fratel, no troço entre Perais e Cais do Arneiro, a Agência Portuguesa do Ambiente, comunicou, hoje, ontem] com a Dirección General del Agua, de Espanha, no sentido de serem adotadas medidas de gestão de caudais a montante, na parte espanhola da bacia, que contribuam de forma efetiva para reduzir o risco de degradação da qualidade da água».

E também que, «os valores registados para o parâmetro oxigénio dissolvido têm vindo a decrescer para valores inferiores ao limite mínimo de qualidade (5 mg/l) potenciando riscos para a subsistência e a sobrevivência da fauna piscícola».

A APA afirma ainda que faz o «acompanhamento atento da evolução da qualidade da água ao longo do rio Tejo, nomeadamente através da monitorização diária e de dados obtidos em tempo real através de sondas automáticas instaladas na albufeira de Fratel, no troço principal do rio Tejo».

No entanto, segundo os deputados do CDS-PP, “existem estações de medição antes de Fratel, nas quais se pode e deve também recolher amostras para perceber onde começa o problema do agravamento da qualidade da água do Tejo”, sendo também “essencial”, defendem, “conhecer os parâmetros na barragem de Cedillo”, na fronteira com Espanha.

“Aliás, depois do recente plano de ação para o Tejo, a APA aumentou o número de estações de medição, pelo que o CDS-PP não compreende a referência apenas à de Fratel e a total ausência de informação sobre o que se passa com as outras estações, sendo que a APA refere degradação da água no troço entre Perais e Cais do Arneiro”, referem.

Por outro lado, mais abaixo no rio, “junto à albufeira de Belver, a água tem corrido, nos últimos dias, relativamente transparente e com caudal”, concluem.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome