“Carvalho Cerquinho: Uma relíquia da nossa floresta autóctone”, por José Alho

Neste mês, em que comemorarmos a Floresta e a Primavera, quero destacar o Carvalho Cerquinho, uma espécie da nossa floresta autóctone e um dos principais símbolos da biodiversidade na região em que nos inserimos.

PUB

PUB

Todos os estudos indicam que Portugal foi, outrora, um país com uma floresta bem diferente daquela que hoje temos. Terá sido uma floresta em que as espécies dominantes eram sobretudo folhosas, nomeadamente quercíneas, onde se incluíam o sobreiro, a azinheira e diversas espécies de carvalhos.

ALHO1São espécies com um enorme valor ecológico dado que são a base de ecossistemas com uma elevada biodiversidade e em equilíbrio com as condições locais de clima e de solo.

PUB

Também representam um elevado valor patrimonial, dada a ligação estreita que apresentam com a história e a cultura do nosso país e do nosso povo. Como é patente na numerosa toponímia em que figuram as palavras: “carvalho” e “carvalhal” e nos nomes de família a ela associados.

São importantes fontes de matéria-prima enquanto fornecedores de madeiras nobres para mobiliário e constituem um recurso cujo valor de mercado directo, pela madeira, e indirecto, pelos bens produzidos, (paisagem, recreio, produtos silvestres, etc.) é significativo para a economia.

Constituem florestas com características favoráveis em termos de prevenção contra incêndios, dado que são espécies pouco inflamáveis e com uma grande capacidade de regeneração após o fogo.

Enquanto florestas com um longo ciclo de vida, permitem a imobilização de carbono durante longos períodos de tempo, contribuindo assim, de forma eficaz, para a redução de gases de efeito de estufa e consequentemente para combater o drama das alterações climáticas.

Na nossa região, desde as Serras de Aire e Candeeiros e estendendo-se pelo sítio Natura 2000 Sicó-Alvaiázere, encontram-se as manchas mais significativas de carvalho cerquinho integradas em paisagens que confirmam o enorme valor paisagístico que esta espécie confere às áreas onde se encontra.

Confinados a zonas do país com uma estrutura fundiária menos favorável à conservação de manchas florestais extensas e com tradições de práticas de pastoreio livre, estes carvalhais foram desaparecendo do nosso território, levados pelo machado, pelo fogo, pelo pastoreio, pela construção de infra-estruturas e, mais recentemente, pela substituição por outras espécies concorrenciais.

O que hoje existe são singelos resquícios de florestas outrora frondosas e extensas a necessitarem de um olhar conservacionista.

ALHO2Já vem de longa data a primeira legislação de proteção ao sobreiro, a qual foi seguida pela da azinheira, ambas as espécies largamente representadas no sul do País e que são aquelas que conservam áreas mais extensas devido a essa salvaguarda legal facilitada pela sua importância económica e ao facto de se encontrarem sobretudo em zonas de latifúndio.

É imperioso refletir sobre o interesse de se estender também essa atitude ao carvalho cerquinho e outras relíquias da nossa floresta autóctone de forma a garantir futuro para essas joias que merecem e devem ser valorizadas e preservadas

Neste mês da Floresta é importante dar a conhecer a todos e sobretudo aos mais novos esses símbolos da nossa identidade sendo essa é a maior garantia de futuro!

PUB
APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser), através do IBAN PT50001800034049703402024 (conta da Médio Tejo Edições) ou usar o MB Way, com o telefone 962 393 324.

PUB
Artigo anteriorConstância: Santana Lopes e Manuel de Lemos inauguram segunda-feira a requalificação exterior do Lar da Misericórdia
Próximo artigoVoz aos Autarcas: Fernando Freire – Vila Nova da Barquinha
José Manuel Pereira Alho Nasceu em 1961 em Ourém onde reside. Biólogo, desempenhou até janeiro de 2016 as funções de Adjunto da Presidente da Câmara Municipal de Abrantes. Foi nomeado a 22 de janeiro de 2016 como vogal do Conselho de Administração da Fundação INATEL. Preside à Assembleia Geral do Centro de Ciência Viva do Alviela. Exerceu cargos de Diretor do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, Coordenador da Reserva Natural do Paúl do Boquilobo, Coordenador do Monumento Natural das Pegadas de Dinossáurios da Serra de Aire, Diretor-Adjunto do Departamento de Gestão de Áreas Classificadas do Litoral de Lisboa e Oeste, Diretor Regional das Florestas de Lisboa e Vale do Tejo na Autoridade Florestal Nacional e Presidente do IPAMB – Instituto de Promoção Ambiental. Manteve atividade profissional como professor convidado na ESTG, no Instituto Politécnico de Leiria e no Instituto Politécnico de Tomar a par com a actividade de Formador. Membro da Ordem dos Biólogos onde desempenhou cargos na Direcção Nacional e no Conselho Profissional e Deontológico, também integra a Sociedade de Ética Ambiental. Participa com regularidade em Conferências e Palestras como orador convidado, tem sido membro de diversas comissões e grupos de trabalho de foro consultivo ou de acompanhamento na área governamental e tem mantido alguma actividade editorial na temática do Ambiente. Foi ativista e dirigente da Quercus tendo sido Presidente do Núcleo Regional da Estremadura e Ribatejo e Vice-Presidente da Direcção Nacional. Presidiu à Direção Nacional da Liga para a Protecção da Natureza. Foi membro da Comissão Regional de Turismo do Ribatejo e do Conselho de Administração da ADIRN. Desempenhou funções autárquicas como membro da Assembleia Municipal de Ourém, Vereador e Vice-Presidente da Câmara Municipal de Ourém, Presidente do Conselho de Administração da Ambiourem, Centro de Negócios de Ourém e Ouremviva. É cronista regular no jornal digital mediotejo.net.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here