- Publicidade -

Carta de amor às Mulheres, por Vera Dias António

Se calhar, quando eu morrer podem simplesmente escrever: Foi uma Mulher!

- Publicidade -

Ou adjetivem, se vos apetecer, que voltarei para ler, se der.

Mas como Mulher, e como gosto de o ser, será suficiente o nome, comum e tão especial:

- Publicidade -

Mulher!

Nem mais, nem menos.

Uma metade da terra, uma metade do mar,

uma metade do todo, numa luta para o afirmar.

Não é o ser mais, mas nunca será ser menos.

Mas corremos…

Tantas vezes atrás, sempre tão carregadas.

Hoje com muito mais do que nadas.

Porque percebeu o Mundo, ou começa a perceber

Quem somos, quem nascemos para ser.

Mais ou menos puras,

Mais ou menos traumatizadas,

Presas às nossas desventuras.

As loucas e as desvairadas

Ou as santas e as consagradas.

As que parem inundadas de dor,

E não sentem nada mais do de amor.

As mulheres lixo, desaforo,

As mulheres tesouro, decoro.

As que vão ao sabor do vento,

As que fazem tempestade,

As que abraçam o casamento,

As que não lhe têm vontade.

As que levam porrada,

As de vidas desgastadas,

As do medo e do destino,

Mais as que morrem assassinadas.

As que lutam porque sim,

As que se afirmam porque não,

As que se perdem por aí,

As que carregam uma missão.

As mulheres furacão,

Mais as mal-encaradas,

As que vivem em contramão,

Com rostos de histórias cravadas.

As que carregam o mundo ao peito,

Porque não sabem ser de outro jeito.

E nisto do ser-se Mulher

Que se lixe o ser ou não ser.

Estamos. Somos. A metade ou o todo.

O tudo que nos apetecer!

Nasceu em Mação em 1978. Estudou em Abrantes, Lisboa, Bruxelas e voltou a Mação, para trabalhar. Licenciada em Sociologia trabalhou sempre na área da Comunicação, primeiro a social, depois a autárquica.
Resgatar memórias e dar-lhes uma quase eternidade é o seu exercício preferido. Considera que a recolha de memórias passadas das gentes de Mação e o apoio na construção das memórias futuras dos quatro filhos é a melhor definição de equilíbrio, o presente da vida.
Acredita, acima de tudo, que nada sabemos de ninguém até ter uma boa, mas mesmo boa, conversa. Porque o que parece, às vezes, não é. Falta-lhe conteúdo. Apresentará neste espaço quem são as gentes de Mação, sem filtros nem preconceitos, só histórias e essência, o verbo Ser das pessoas.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).