PUB

“Bom gigante”, por Vasco Damas

Começo esta crónica partilhando as minhas reservas sobre se a deveria ter escrito. Uma virgula fora do sítio certo, pode ser o suficiente para provocar interpretações dúbias ou erradas, deturpando sem remissão ou possibilidade de correção, o objetivo inicial ou o sentido da sua escrita.

PUB

Após várias análises pesando prós e contras, acabei por chegar à única conclusão possível. Nada devo e pouco tenho a provar, pelo que a partilha de um sentimento genuíno, se sofrer atropelos na sua interpretação, é apenas revelador do carácter de quem lê e nunca de quem escreve.

Declaração de interesse feita, partamos para o que realmente interessa.

PUB

Tive o primeiro contacto com o Zé numa das redes sociais da moda, no decorrer do ano de 2018. Não era amigo dele nem tão pouco o conhecia, quando me cruzei com alguns dos seus comentários em perfis de amigos comuns.

As minhas primeiras impressões com base na análise desses seus comentários naquela altura, levaram-me a achar que o Zé era uma pessoa com profundidade de conhecimento, combativo a roçar a arrogância e a provocação, que apreciava com particular gosto uma boa discussão e que apenas as encerrava quando não houvesse dúvidas que era ele quem estava por cima.

Sem me recordar como nem porquê, tornámo-nos amigos nessa rede social em novembro de 2018. Desde esse momento, o meu conhecimento em relação ao Zé, que era superficial e que se circunscrevia aos comentários em perfis de amigos como referi anteriormente, começou a ganhar outra dimensão.

Reforcei a minha ideia em relação à sua profundidade de conhecimento, mas aquilo que nos aproximava no conteúdo, acabava por nos afastar pelo estilo. Falo por mim, como é óbvio.

Mais uma vez, sem recordar como nem porquê, começámos a trocar mensagens privadas onde fomos partilhando opiniões sobre os temas da atualidade daquela altura. Nem sempre estávamos de acordo, mas houve sempre um respeito e uma urbanidade entre ambos. Confesso que essas trocas de mensagens começaram a esbater a imagem de arrogância e de dono da verdade que por essa altura ainda tinha do Zé.

A pedra de toque que baralha e modifica toda a imagem que fui construindo do Zé, dá-se no dia 1 de julho de 2019. Por motivo de uma ação em defesa do edifício do Mercado Municipal de Abrantes, tive a oportunidade de o conhecer pessoalmente.

A afabilidade, a educação, a simplicidade, a proximidade e a simpatia calorosa com que fui recebido por aqueles, quase dois metros de homem, foram uma enorme surpresa e contribuíram para que, desde esse dia, passássemos a comunicar com maior frequência e acabássemos por avançar, em conjunto, para projetos de grande fôlego.

Hoje sei que o Zé tem uma personalidade forte, continuo a confirmar a sua enorme profundidade de conhecimento e descobri um voluntarismo ímpar, um altruísmo que rareia nos tempos que correm e uma tremenda capacidade de trabalho que desconhece o que são limites.

Continuamos a discordar com alguma frequência e continuo a achar que o seu estilo de comunicação, esconde a enorme generosidade e a sua verdadeira natureza. Mas se em relação à discordância, ela nos deixa – permitam que escreva na primeira pessoa do plural – muito mais “ricos” e preparados para a discussão futura desses temas, já em relação ao estilo, só lamento que isso afaste alguns, e não lhes permita terem a oportunidade de conhecer o “bom gigante” que, na verdadeira aceção da palavra, o Zé é.

Da minha parte, é um privilégio conviver com este “bom gigante” como, carinhosamente, gosto de o tratar. Tenho consciência que são pessoas como ele, que nos acrescentam valor e que fazem de nós, melhores seres humanos. É por isso que não abdicarei deste privilégio, pelo menos, enquanto o Zé também o permitir.

PUB
PUB
Vasco Damas
É gestor e trabalhar com pessoas, contribuir para o seu crescimento e levá-las a ultrapassar os limites que pensavam que tinham é a sua maior satisfação profissional. Gosta do equilíbrio entre a família como porto de abrigo e das “tempestades” saudáveis provocadas pelos convívios entre amigos. Adora o mar, principalmente no Inverno, que utiliza, sempre que possível, como profilaxia natural. Nos tempos livres gosta de “viajar” à boleia de um bom livro ou de um bom filme. Em síntese, adora desfrutar dos pequenos prazeres da vida.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).