Quinta-feira, Março 4, 2021
- Publicidade -

BE exige requalificação da Linha do Norte entre Santarém e Entroncamento

O BE apresentou na segunda-feira, em Santarém, um projeto de resolução para a requalificação do troço da Linha do Norte entre Vale de Santarém e o Entroncamento, incluindo a construção da variante a Santarém.

- Publicidade -

Em conferência de imprensa, junto à estação de caminho-de-ferro de Santarém, a deputada bloquista eleita pelo distrito, Fabíola Cardoso, sublinhou a “imperiosa necessidade” de requalificação de um troço que é “essencial” para Santarém, para a região, para o acesso ao interior e à Europa, bem como para a coesão territorial, a sustentabilidade ambiental e o combate às alterações climáticas.

“O investimento na ferrovia é um dos desígnios mais importantes para o país, seja pelos ganhos ambientais, seja pelas vantagens para a saúde pública e qualidade de vida das populações, como é o caso da região das Lezírias, por forma a responder efetivamente aos problemas de coesão territorial e combate à desertificação do interior, na qual esta linha desempenha importante papel”, afirmou.

- Publicidade -

Fabíola Cardoso salientou que a iniciativa surge em resposta às preocupações e vontade manifestada em duas moções aprovadas na Assembleia Municipal de Santarém, a primeira em setembro de 2020, por iniciativa do BE, e a segunda, em dezembro, subscrita por todos os partidos com assento naquele órgão.

Para a deputada, não há dúvida de que este troço “tem de constar no Plano Nacional de Investimentos” (PNI) 2030 e aproveitar as verbas do Plano de Recuperação e Resiliência que o país vai receber no âmbito da recuperação económica face à crise pandémica da covid-19.

Fabíola Cardoso sublinhou ser incompreensível que o projeto tenha estado incluído na primeira versão do PNI 2030, apresentada em janeiro de 2019, e depois retirado “erradamente”, pois trata-se de “um investimento estratégico” para o país.

“Esta decisão é, do nosso ponto de vista, um retrocesso na resposta às desigualdades territoriais, uma vez que volta a adiar para as calendas um projeto essencial para as populações, incluindo do interior, o desenvolvimento económico sustentável e o combate às alterações climáticas”, lê-se no projeto de resolução hoje entregue no parlamento.

No documento é salientado que o projeto de requalificação do troço Vale de Santarém – Entroncamento, com um custo estimado de 300 milhões de euros, “previa aumentar as velocidades de circulação, permitindo uma viagem mais segura e rápida” e ainda “mitigar riscos graves que desde há muito afetam as populações e as levam a reivindicar a intervenção”.

Em concreto, são mencionadas as passagens de nível, “na origem de vários acidentes, alguns dos quais mortais, como é o caso da passagem de nível de Assacaias” (no concelho de Santarém).

Por outro lado, no texto é igualmente referida a importância da mudança de traçado junto à cidade de Santarém, retirando a linha que segue junto ao rio Tejo, nomeadamente devido aos “riscos de derrocada da encosta na zona de Alfange, que precisa de obras de consolidação”.

Fabíola Cardoso lembrou ainda os milhares de pessoas que diariamente usam o comboio entre o Entroncamento e Lisboa, salientando a necessidade, para os utentes da ferrovia da zona de Santarém, de uma estação com condições, nomeadamente de acessibilidade, com a inserção numa zona que permita a ligação a outros meios de transporte.

Por outro lado, o projeto inclui a melhoria da estação ferroviária do Entroncamento, há muito reivindicada por utentes e autarcas, nomeadamente por razões de segurança.

Fabíola Cardoso desafiou os outros partidos com assento parlamentar para a elaboração de um texto conjunto para que o troço ferroviário entre o Vale de Santarém e o Entroncamento volte a ser incluído no PIN 2030.

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).