Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Julho 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“Avieiros: à descoberta dos seus registos e memórias no Tejo”, por José Alho

O nosso País apresenta condições de excelência, no âmbito da diversidade natural e cultural, que constituem uma mais-valia que devia ser respeitada e valorizada como fator de desenvolvimento, numa perspetiva de sustentabilidade.

- Publicidade -

Nesta nossa região que tem o rio Tejo como eixo estruturante temos vários tesouros que são exemplos singulares dessas maravilhas, e que estão à espera de serem descobertos.

Neste final de verão em que os passeios ficam mais circunscritos, em distância, e o sol e a praia estão arrumados por mais um ano, o nosso foco de atenção pode ser dirigido para a nossa proximidade. Esse é o desafio que vos deixo, aqui próximo de nós, nas margens do Tejo descobrindo a singularidade das aldeias avieiras.

- Publicidade -

A cultura dos pescadores avieiros que ali se mantêm até aos dias de hoje é um importante fenómeno migratório que merece ser valorizado.

alho2
No século XIX, os pescadores avieiros partiram da zona de Vieira de Leiria com destino sazonal às margens do Tejo. Foto: DR

Em meados do século XIX através de barcos, ou em carroças por terra, os pescadores avieiros partiram da zona de Vieira de Leiria com destino sazonal às margens do Tejo, entre a Chamusca e Alhandra tentando encontrar no rio a pesca a que estavam condicionados na sua origem pelas intempéries dos invernos rigorosos e de mar revolto.

Aos poucos acabaram por se ir fixando nestes locais deixando de regressar à sua origem, e num processo de integração deixaram de viver nos barcos e passaram a construir casas de caraterísticas palafíticas assentes em estacas de madeira, nas margens, formando pequenas aldeias com uma identidade tão especial quanto as características da sua forma de vida.

alho4
Os avieiros deixaram de viver nos barcos e passaram a construir casas de caraterísticas palafíticas assentes em estacas de madeira. Foto: DR

No documentário “Memórias de um Rio – Avieiros, Nómadas do Tejo”, o realizador português Francisco Manso deixa-nos um registo desta cultura e desta vida tão especial destes “nómadas do rio”, como os apelidou Alves Redol na sua obra os “Avieiros “de 1941 onde descreve o fenómeno de migração interna do seguinte modo:” Da Vieira de Leiria vêm ao Ribatejo. Aqui labutam. Alguns voltam ainda, roídos das saudades do seu Mar. Muitos ficam”. Dois documentos, diferentes na forma e no tempo de produção, de grande interesse para quem pretender mergulhar nesta cultura ribeirinha.

Nesta semana em que o Humberto Vasconcelos nos deixou registo devida homenagem ao amigo, jornalista e ambientalista pelo seu papel na divulgação e salvaguarda deste património. Através da obra publicada e da sua ação militante na associação Palhota Viva o seu contributo foi essencial para mobilizar vontades e resgatar os avieiros do esquecimento.

Estas pequenas aldeias com nomes como Palhota, Escaroupim, Caneiras, Patacão, entre outras, estão em gradual extinção, mas continuam memória da singularidade dessas comunidades.

alho
O contributo de Humberto Vasconcelos foi essencial para mobilizar vontades e resgatar os avieiros do esquecimento. Foto:DR

São esses cenários que vos desafio a visitar, aproveitando algumas ofertas de turismo fluvial que entretanto se foram organizando nessas paisagens e que nos conduzem sempre à memória de Alves Redol que tão bem descreveu os Avieiros nas suas características, anseios e angústias de vida:

“Soubesse de outro ofício e bem lhe dava de abalar terra dentro à cata de trabalho. Porém, deixar o rio era coisa reparada. Quebrar tradições era traição ao seu povo.”

alho3
”Da Vieira de Leiria vêm ao Ribatejo. Aqui labutam. Alguns voltam ainda, roídos das saudades do seu Mar. Muitos ficam”. Foto: DR

José Manuel Pereira Alho
Nasceu em 1961 em Ourém onde reside.
Biólogo, desempenhou até janeiro de 2016 as funções de Adjunto da Presidente da Câmara Municipal de Abrantes. Foi nomeado a 22 de janeiro de 2016 como vogal do Conselho de Administração da Fundação INATEL.
Preside à Assembleia Geral do Centro de Ciência Viva do Alviela.
Exerceu cargos de Diretor do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, Coordenador da Reserva Natural do Paúl do Boquilobo, Coordenador do Monumento Natural das Pegadas de Dinossáurios da Serra de Aire, Diretor-Adjunto do Departamento de Gestão de Áreas Classificadas do Litoral de Lisboa e Oeste, Diretor Regional das Florestas de Lisboa e Vale do Tejo na Autoridade Florestal Nacional e Presidente do IPAMB – Instituto de Promoção Ambiental.
Manteve atividade profissional como professor convidado na ESTG, no Instituto Politécnico de Leiria e no Instituto Politécnico de Tomar a par com a actividade de Formador.
Membro da Ordem dos Biólogos onde desempenhou cargos na Direcção Nacional e no Conselho Profissional e Deontológico, também integra a Sociedade de Ética Ambiental.
Participa com regularidade em Conferências e Palestras como orador convidado, tem sido membro de diversas comissões e grupos de trabalho de foro consultivo ou de acompanhamento na área governamental e tem mantido alguma actividade editorial na temática do Ambiente.
Foi ativista e dirigente da Quercus tendo sido Presidente do Núcleo Regional da Estremadura e Ribatejo e Vice-Presidente da Direcção Nacional.
Presidiu à Direção Nacional da Liga para a Protecção da Natureza.
Foi membro da Comissão Regional de Turismo do Ribatejo e do Conselho de Administração da ADIRN.
Desempenhou funções autárquicas como membro da Assembleia Municipal de Ourém, Vereador e Vice-Presidente da Câmara Municipal de Ourém, Presidente do Conselho de Administração da Ambiourem, Centro de Negócios de Ourém e Ouremviva.
É cronista regular no jornal digital mediotejo.net.

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. Meu(s) Caro(s),
    A fotografia que evoca na legenda Humberto de Vasconcelos, nada tem a ver com a Palhota, aldeia onde o jornalista viveu em casa palafita. E onde a viúva mantém, ainda, a casa.
    A foto que ilustra o texto é do Patacão de Alpiarça, conjunto afastado do núcleo principal, construído sobre o dique. O conjunto, hoje coberto de matagal e silvas, corre o risco de desaparecer rapidamente. Se não lhe acudirem.
    Cumprimentos
    Arnaldo Vasques

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome