Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Julho 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Autárquicas/Ourém | Câmara PS limitou-se a seguir austeridade do país, defende PSD-CDS

Numa conferência de imprensa na terça-feira, 2 de maio, a coligação PSD-CDS, representada pelos atuais três vereadores da oposição na Câmara de Ourém, desconstruiu a acentuada diminuição da dívida municipal desde que o PS gere o município. Uma diminuição que não é sustentada, afirmaram, porque se limitou a seguir as medidas de austeridade impostas a nível nacional, não criando os mecanismos que permitirão salvaguardar as contas futuras.

- Publicidade -

Em 2009, quando o PS venceu a Câmara de Ourém, a dívida municipal encontrava-se nos 35,5 milhões de euros. Atualmente, depois de um pico em 2012 (37,4 milhões), encontra-se nos 13,3 milhões. Uma descida significativa, admitiram os vereadores Luís Albuquerque (atual candidato pelo PSD-CDS ao município), Isabel Costa e José Poças das Neves.

No entanto, constataram, essa descida deveu-se à conjuntura nacional: a Lei dos Compromissos, instalada a partir de junho de 2012, não permitia investimentos enquanto não se baixasse a dívida, e o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) sofreu uma reavaliação nesse mesmo ano, mais que duplicando as receitas do município ( de 250 euros por munícipe em 2006 para 580 euros por munícipe em 2017).

- Publicidade -

Lei dos Compromissos e reavaliação do IMI são para o PSD-CDS as razões objetivas dos bons resultados municipais. No entanto, frisou Luís Albuquerque, o investimento baixou significativamente (de 75 para 18 milhões), concretizando-se pouco mais que os projetos co-financiados por fundos europeus que já vinham do tempo do governo PSD.

Também as despesas de financiamento, defendeu o autarca, que poderiam ter baixado, subiram de 46,4% em 2009 para 67,3% em 2017. “A consolidação orçamental devia ter sido feita nestas rúbricas”, sublinhou Luís Albuquerque.

Numa exposição dos ganhos em IMI, investimento e dívida desde 2006 a 2017, Luís Albuquerque criticou uma gestão PS que se limitou a seguir as orientações governamentais, não sabendo aproveitar os quadros comunitários. “Não são números do PSD, são números oficiais dos relatórios da Câmara Municipal”, afirmou.

No decorrer da conferência de imprensa, Luís Albuquerque adiantou ainda que “quando o PSD-CDS for governo, a partir de 1 de outubro” será realizada uma reestruturação à empresa municipal OurémViva e serão abertos concursos para as chefias, no âmbito do quadro interno da Câmara de Ourém.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here