Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Julho 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Autárquicas/Abrantes | PSD fala de “liberdade” e “aspiradores” e apresenta candidatos a mais três freguesias

O PSD de Abrantes apresentou este sábado os candidatos às juntas de freguesia de Bemposta, Rio de Moinhos e à União de Freguesias de São Miguel do Rio Torto e Rossio ao Sul do Tejo, tendo o candidato à Câmara Municipal, António Castelbranco, aproveitado a oportunidade para lançar novas críticas à atual presidente da autarquia, a socialista Maria do Céu Albuquerque, lembrando a “importância da liberdade de expressão”, e ao atual presidente de junta de Rio de Moinhos, Rui André, eleito pelo PSD em 2013, pela sua proposta para adquirir 13 aspiradores por 220 mil euros, em sede de Orçamento Participativo. “Deve ser para aspirar todo o concelho. Ainda bem que esse senhor já não é nosso candidato”, afirmou.

- Publicidade -

António Castelbranco, candidato do PSD à CM Abrantes

A apresentação conjunta dos três cabeças de lista às freguesias de Bemposta, Rio de Moinhos e à União de Freguesias de São Miguel do Rio Torto e Rossio ao Sul do Tejo decorreu na tarde de sábado na sede do PSD de Abrantes, candidaturas que juntam-se às 7 já apresentadas, de um total de 13 freguesias. As restantes candidaturas às 3 freguesias em falta serão apresentadas ainda esta semana, assegurou Rui Santos, presidente da Comissão Política do PSD.

- Publicidade -

Rui Baptista Santos, presidente da CPC PSD de Abrantes

Rui Mesquita, candidato à Assembleia Municipal, adiantou que o partido reúne já cerca de 400 pessoas nas diversas equipas que se vão apresentar nas eleições autárquicas de 1 de outubro, uma “prova da dinâmica e da vontade de mudança nos vários orgãos autárquicos”, defendeu.

Rui Mesquita Nunes, candidato do PSD à Assembleia Municipal de Abrantes

“Três pessoas que querem o melhor para a sua freguesia, três pessoas que irão dar o seu melhor e que nas suas vidas já demonstraram do que são capazes”, introduziu Rui Santos, antes de serem apresentados e chamados a usar da palavra Mário Antunes, padeiro, 67 anos, candidato à Bemposta, José Damas, 60 anos, desempregado, candidato a Rio de Moinhos, ambos como independentes, e Tânia Branco, militante do PSD, 28 anos, agente imobiliária, candidata à União de Freguesias de São Miguel do Rio Torto e Rossio ao Sul do Tejo, a 2ª freguesia mais populosa do concelho, depois da União de Freguesias de Abrantes.

Mário Antunes, 67 anos, candidato à freguesia de Bemposta

Nas suas intervenções, os candidatos do PSD foram unânimes ao afirmarem a sua vontade em contribuir para um exercício cívico no âmbito de uma democracia plural e participada, tendo todos vincado o querer “fazer diferente” de quem gere atualmente os destinos daquelas freguesias, e destacado as apostas e preocupações no “combate à desertificação e fixação de pessoas”, anunciando políticas de “efetiva proximidade” para com os seus ‘fregueses’, e reclamando “investimento que se reflitam numa maior qualidade de vida” para quem habita nos territórios mais ruralizados.

Tânia Branco, militante do PSD, 28 anos, candidata à União de Freguesias de São Miguel do Rio Torto e Rossio ao Sul do Tejo

Rui Santos sintetizaria minutos antes o pensamento coletivo social-democrata, ao ter afirmado que “sem projetar o futuro para daqui a 100 anos não vale a pena. Sem isto é escusado investir em hotéis, museus ou estátuas”, afirmou.

José Damas, 60 anos, é o candidato do PSD a Rio de Moinhos

A sessão finalizou com uma intervenção do candidato António Castelbranco à presidência da Câmara Municipal, num discurso professoral e repleto de ironia, e em que preferiu andar em pé pela sala ao invés de se ficar pelo púlpito. Num discurso solto e incisivo, o arquiteto candidato a presidente começou por dizer que “a coisa mais importante que se passou nestes últimos dias em Abrantes não foi a inauguração atrasada do hotel de Abrantes, não foi a presença do Senhor 1º Ministro e certamente que não foi o anúncio de mais de 2,2 milhões de euros em mais um museu”. Estava dado o mote para uma intervenção que prendeu a atenção das cerca de 3 dezenas de militantes e simpatizantes que se encontravam na sala.

“Esta semana, passou-se uma coisa extraordinária em Abrantes. Esta semana passou por Abrantes a liberdade. A liberdade de assegurar que a democracia é para ser respeitada. Por isso quero começar hoje por dar os parabéns ao empresário abrantino Joaquim Ribeiro pela força e pela coragem. Porque durante mais de um ano e meio o Joaquim lutou nos tribunais pelo direito à liberdade de expressão e pelo direito à indignação. Para aqueles que não sabem, O Dr. Joaquim Ribeiro foi vitima de uma queixa-crime que a presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque (PS), apresentou contra ele, devido a declarações proferidas pelo Joaquim e, publicadas em novembro de 2015. Nas declarações proferidas em novembro de 2015, Joaquim Ribeiro afirmou que apesar de concurso público, a autarca Maria do Céu facilitara o negócio que levou à concessão do Hotel de Turismo de Abrantes a um grupo hoteleiro. E foi processado pela Presidente mas o Ministério Publico valorizou a liberdade de expressão”, afirmou.

“Com efeito”, continuou, “o Ministério Público entendeu que as afirmações se inseriram no âmbito do combate político e valorizou a liberdade de expressão e, disse que da análise do significado das expressões – factos e juízos de valor – que o Joaquim Ribeiro dirigiu à Presidente da Câmara de Abrantes (…) resulta que não têm, objectivamente conteúdo e capacidade difamatória e que ainda se inserem na crítica politicamente admissível numa sociedade democrática e plural”. Assim, ficou arquivada a queixa da presidente da Câmara de Abrantes contra o empresário da cidade. Num estado democrático os Tribunais são fundamentais como garante da sociedade a liberdade de imprensa, a liberdade de expressão e, a liberdade à indignação são 4 pilares fundamentais. Quem não entende estes conceitos não deve assumir cargos públicos”, defendeu, perante os aplausos dos presentes.

Castelbranco não terminaria a sua intervenção sem fazer uma análise às intervenções dos 3 candidatos apresentados nessa tarde, elogiando “a força da juventude, a esperança e a força de ultrapassar o medo” da candidata à União de Freguesias de São Miguel do Rio Torto e Rossio ao Sul do Tejo, Tânia Branco, “o padeiro e o pão que nos alimenta, os meios rurais e a confiança que é preciso merecer para, depois, se poder dar”, e o candidato José Damas, que “vive em Rio de Moinhos, ao contrário do atual presidente, que vive em Abrantes. O nosso candidato vive Rio de Moinhos”, enfatizou.

António Castelbranco fecharia a sua intervenção focado em Rio de Moinhos e no atual presidente, tendo referido que, “no âmbito do atual Orçamento Participativo (OP), que é de 350 mil euros, ele gostaria de propor a compra de 13 aspiradores para aspirar o concelho todo. Só em aspiradores seriam 220 mil euros (…). Ainda bem que esse senhor já não é nosso candidato”, disse o candidato do PSD, referindo-se a Rui André, o atual presidente da junta de Rio Moinhos, e que foi eleito em 2013 nas listas do PSD.

A sessão finalizou com uma intervenção do candidato António Castelbranco à presidência da Câmara Municipal, num discurso professoral e repleto de ironia

Esta semana o PSD promete nova conferência de imprensa para anunciar os candidatos às freguesias. E muito provavelmente com novos ataques à hegemonia socialista abrantina, cidade que se prepara para as suas festas anuais (de 13 a 18 de junho) a encerrar os festejos que assinalam o seu primeiro centenário.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

2 COMENTÁRIOS

  1. Será que o candidato a câmara também reside em Abrantes, mais ainda a sua candidata a alvega concavada reside lá no máximo 2 anos não conhece nem metade da freguesia boa candidata.Não critiquem os outros olhem para vocês primeiro.Isto é uma parte vão apanhar a maior desilusão de sempre.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here