Associação da Rota da EN2 nasceu este mês e junta municípios de Chaves a Faro

Associação da Rota da EN2 nasceu este mês e junta municípios de Chaves a Faro. Foto: DR

A Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2 (EN2) está formalmente constituída desde o dia 5 deste mês de novembro, tendo o momento solene sido sufragado por 21 dos 32 municípios atravessados pela via que liga Chaves a Faro.

PUB

A Estrada Nacional 2 atravessa o país de norte a sul, sendo a terceira estrada mais extensa do mundo, a seguir à rota 66 dos Estados Unidos da América (EUA) e à rota 40 da Argentina.

Na região do Médio Tejo, a Estrada Nacional 2 atravessa os concelhos de Abrantes, Sertã, Vila de Rei e Sardoal.

PUB

A assinatura da escritura da Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2 juntou 21 autarquias em Santa Marta de Penaguião, mas mais 10 já garantiram a adesão, precisando apenas da aprovação das respetivas assembleias municipais.

A assinatura da escritura da Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2 juntou 21 autarquias em Santa Marta de Penaguião. Foto: DR
A assinatura da escritura da Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2 juntou 21 autarquias em Santa Marta de Penaguião. Foto: DR

Luís Machado, presidente da Câmara de Santa Marta de Penaguião e que lidera o projeto turístico EN2, afirmou à agência Lusa que a constituição desta associação representa a fase final da primeira fase deste projeto.

PUB

O autarca disse que a nova associação pretende concretizar a geminação da EN2, que liga Chaves a Faro, numa distância de 738 quilómetros, com a ‘Route’ 66, nos Estados Unidos da América (EUA), e a ‘Ruta’ 40, na Argentina.

Na região do Médio Tejo, a Estrada Nacional 2 atravessa os concelhos de Abrantes, Sertã, Vila de Rei e Sardoal. Foto: DR
Na região do Médio Tejo, a Estrada Nacional 2 atravessa os concelhos de Abrantes, Sertã, Vila de Rei e Sardoal. Foto: DR

Mas, para a concretização deste projeto de internacionalização, o presidente socialista defendeu que é necessária a abertura de um aviso nos fundos comunitários dedicado a este projeto que atravessa o país de Norte a Sul, passando por território das atuais cinco comissões de coordenação e desenvolvimento regional (CCDR).

De Trás-os-Montes ao Algarve, a Nacional 2 atravessa 32 municípios, passa pelo interior das povoações e liga paisagens tão diferentes como as vinhas do Douro, as planícies do Alentejo ou as praias do sul do país.

É este potencial paisagístico e patrimonial que se quer aproveitar. Luís Machado explicou que o objetivo é “avançar com um projeto de dinamização desta estrada histórica” que vai guiar os visitantes por uma viagem pelo país.

“A ideia é que as pessoas que façam esta rota tenham o mesmo tipo de acolhimento em todos os municípios por onde passem, tenham acesso a informações sobre alojamentos, restauração ou os produtos locais de qualquer um destes territórios”, salientou.

Luís Machado acredita que a EN2 vai ajudar a “criar riqueza nos territórios que atravessa, vai ajudar a mostrar a cultura, gastronomia e os produtos endógenos, ainda a fixar a população residente e até a atrair novas pessoas”.

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Vila Real, é parceira do projeto e vai criar uma aplicação onde estará concentrada toda a informação sobre a EN2 e, conjuntamente com a Infraestruturas de Portugal (IP), será colocada uma sinalética da rota.

O autarca disse ainda que o projeto visa a recuperação das antigas casas dos cantoneiros, que estão devolutas.

Municípios querem geminar EN2 com estradas congéneres de outros países

A internacionalização do projeto turístico que está a ser desenvolvido na Estrada Nacional 2 deve incluir a geminação com vias congéneres de outros países, afirmou o presidente da Câmara de Santa Marta de Penaguião.

Luís Machado, dinamizador da criação da Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2, realçou a importância do aproveitamento turístico da via “para criar riqueza e fixar as pessoas” nos 32 concelhos que atravessa.

A Estrada Nacional 2 atravessa o país de norte a sul, sendo a terceira estrada mais extensa do mundo com os seus 738 km. Foto: DR
A Estrada Nacional 2 atravessa o país de norte a sul, sendo a terceira estrada mais extensa do mundo com os seus 738 km. Foto: DR

Importa, na sua opinião, que “sejam dadas ao projeto oportunidades que não existem” no programa de fundos comunitários Portugal 2020, já que “a forma como está desenhado não satisfaz” a sua candidatura aos apoios financeiros europeus.

O grupo de trabalho que, nos últimos dois anos, desenvolveu o processo para a constituição da Associação da Rota da Estrada Nacional 2 apelou à intervenção do Governo e do Turismo de Portugal com esse objetivo.

Frisando que a internacionalização “é o desafio maior” dos promotores deste “projeto socioeconómico”, que já assegurou a adesão de 26 dos 32 municípios atravessados pela EN2, Luís Machado disse que esta via começou a ser construída em finais do século XIX e atravessa território das atuais cinco comissões de coordenação e desenvolvimento regional (CCDR).

“Vamos ver se antes do próximo verão, em 2017, já temos oferta no mercado”, afirmou.

A emissão de um “passaporte municipal”, para ser carimbado em cada um dos concelhos visitados, a par de um “passaporte presidencial”, a utilizar quando os turistas forem recebidos pelos líderes de cada autarquia, é uma das medidas pensadas para integrar a EN2 na oferta turística nacional e internacional.

A nova associação pretende concretizar a geminação da EN2, que liga Chaves a Faro, numa distância de 738 quilómetros, com a ‘Route’ 66, nos Estados Unidos da América (EUA), e a ‘Ruta’ 40, na Argentina. Foto: DR
A nova associação pretende concretizar a geminação da EN2, que liga Chaves a Faro, numa distância de 738 quilómetros, com a ‘Route’ 66, nos Estados Unidos da América (EUA), e a ‘Ruta’ 40, na Argentina. Foto: DR

O presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, classificou como “projeto fabuloso” a EN2 e a sua valorização enquanto aposta para criar emprego e combater a desertificação do interior.

Intervieram ainda na sessão presidentes e vereadores de outros municípios envolvidos na iniciativa, de norte a sul do país, e cidadãos, como o economista Aires Henriques, promotor turístico e proprietário do Museu da República e da Maçonaria, nos Troviscais, concelho de Pedrógão Grande.

c/LUSA

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here