Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Maio 8, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“As aparências iludem”, por Vasco Damas

De que serve lamentar ou partilhar publicamente uma preocupação, quando o nosso exemplo contraria o sentimento que mostramos. Talvez valha a pena lembrar que seremos sempre aquilo que fazemos e nunca aquilo que dizemos, mas há quem continue a viver de aparências, capitalizando uma imagem que está longe de ser aquilo que parece.

- Publicidade -

A uns, tudo se proíbe. A outros, tudo se permite. E se há comportamentos socialmente responsáveis, haverá uns mais irresponsáveis que outros.

A vida vai seguindo ignorando os problemas ou, mais grave, escondendo-os. Duas a abater, com demagogia e algumas mentiras, e, por artes mágicas, o problema real fica artificialmente resolvido.

- Publicidade -

Os programas ocupacionais mascaram a falta de emprego, os estudos oficiais que revelam desequilíbrios são desvalorizados, os números preocupantes que sobem diariamente são camuflados por inaugurações oportunistas e irresponsáveis, e os projetos para um multiusos tentam fazer esquecer o que se investiu num cineteatro que teima em continuar fechado sem data anunciada para voltar a abrir.

Até aqueles que têm uma obrigação ética e uma responsabilidade social insubstituível, se demitem das suas responsabilidades e deixam de dar voz aqueles que não se conseguem fazer ouvir.

No seio desta realidade e de tanta adversidade, fará sentido continuar a lutar contra todas as probabilidades? Não tenho dúvidas na resposta. São as dificuldades que forjam os vencedores, aqueles que continuam a acreditar ser possível e que não se diminuem quando todos, ou quase todos, já deixaram de acreditar.

Voltando às aparências, ultimamente, quando me “cruzo” com algumas personalidades, vem-me com frequência à memória uma música antiga que cantava no seu refrão “palavras não me chegam com facilidade”. Será provavelmente o reflexo de uma inabilidade natural que se limita a revelar a ausência de estratégia e que se esconde taticamente, valorizando-se o “agora” sem se ter a mais pequena ideia onde se quer estar daqui a 10 anos, havendo aqui coerência entre a dificuldade daquilo que se diz com o entendimento daquilo que se faz.

O ano de 2021 arrisca-se a ficar para a história como o ano de todas as obras. Haverá as que fazem sentido e são necessárias. Haverá também das outras, daquelas que se fazem sem lógica e sem análise custo/benefício.

Há muitos milhões a mexer e a fazer mexer. Estradas, museus, escolas, multiusos, parcerias, associações e outras instituições. Numa cidade onde falta tanto, certamente ficará a faltar menos. Que assim seja para que todos fiquemos a ganhar.

Resta saber se assim será ou se as aparências não voltam a iludir. É que há dinâmicas que não o são, mesmo que a propaganda insista em dizer o contrário. E quando falta o essencial, continuará a faltar quase tudo.

É gestor e trabalhar com pessoas, contribuir para o seu crescimento e levá-las a ultrapassar os limites que pensavam que tinham é a sua maior satisfação profissional. Gosta do equilíbrio entre a família como porto de abrigo e das “tempestades” saudáveis provocadas pelos convívios entre amigos. Adora o mar, principalmente no Inverno, que utiliza, sempre que possível, como profilaxia natural. Nos tempos livres gosta de “viajar” à boleia de um bom livro ou de um bom filme. Em síntese, adora desfrutar dos pequenos prazeres da vida.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome