Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

As actividades económicas do concelho da Sertã em 1932, por Sartagografia

A história de um povo é feita de diferentes dimensões, sendo a económica uma das mais importantes. Propomos hoje uma viagem ao passado até ao ano de 1932, quando o jornalista Virgílio Godinho, no semanário Correio da Beira, reflectia sobre as actividades económicas do concelho da Sertã: “Podemos expor sem receio e com vaidade, azeite, que nenhum concelho nos leva a palma em qualidade; mel de Sant’Ana, cortiça de Sernache, pez louro e água-ráz, ou a própria resina de qualquer das fábricas do concelho, milho em espiga de qualquer freguesia, exemplares de madeira de eucalypto e pinheiro, córtes transversais com o número de anos à vista, cujo desenvolvimento é exponencial e quási exclusivo dos nossos terrenos;

- Publicidade -

haja vista aos exemplares das alamedas das entradas de Sernache, com 40 anos de existência; pranchas de castanho do Fojo e outros pontos, produtos lácteos (queijos) de várias freguesias, uvas e frutas diversas, que abundam nas freguesias do poente do concelho, vinhos e aguardentes, batata distinta pela sua finura e paladar, peros rijos que duram um ano, do Fojo da Serra.

Talvez haja já alguma castanha, carvão de cêpa, linho em rama, mourisco e galego, flôr de tília, azeitona cortida, calçado manufacturado da Sertã, aguadouros de cortiça, da Santinha, engenhos, nóras para água, de Sernache, artigos de funileiro, caixas e latas de exportação, da Sertã e Sernache, ferramentas de córte, brochas ou taxas para calçada da Passaria, Mosteiro de S. Tiago, Ribeiro e outras povoações, as especialidades do nosso ferreiro do Chão da Forca e da Iria, os piões do Grilo, ratoeiras e roçadouras de Entre-a-Serra, enchós e alambiques do Ribeiro da Serra e Val-da-Velha, canudos para toupeiras, da Feiteira, costélas, da Várzea, aguadouros de cortiça, da Santinha, tecido de estopa e linho, com bordados, do Pereiro e Val da Junça, Carvalhal (Troviscal) e Mosteiros, couros verdes para tracção da Maljoga, artigos de pirotecnia da Sertã, telha da Cruz e povoação do Fundão, marcenaria da Sertã e Castelo”.

- Publicidade -

 

Para mais informações consultar: http://www.sartagografia.pt/index.php/sociedade/usos-e-costumes/146-as-actividades-economicas-do-concelho-da-serta-em-1932

Sartagografia é um projeto independente que pretende recolher, tratar, preservar e divulgar a cultura do concelho da Sertã. O projeto segue uma linha etnográfica e abarca diversas realidades. A palavra Sartagografia é estilisticamente um neologismo, inspirado na expressão Olisipografia, e significa qualquer coisa como "o estudo, ou conjunto dos estudos, relacionados com a Sertã".

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome