Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Agosto 3, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“Arte moderna, contemporânea …qual?”, por Massimo Esposito

Muito se fala de arte moderna, de “exposições de arte contemporânea”, e assim por diante. Galerias de renome gostam de evidenciar o que os próprios pupilos realizam e que normalmente se define como arte moderna…e tantos acreditam nisto e ao ver rabiscos e manchas, buracos ou queimadura, que pensam que estão a ver o que AGORA se julga ser arte contemporânea.

- Publicidade -

Garcia Lorca escreveu: pintor, não te ocupes em ser moderno. É a única coisa que infelizmente, não importa o que fizeres, não poderás evitar de ser. O resumo disto é, se estás vivo és moderno, logo contemporâneo.

Mondrian, nos anos 30 do século passado, disse que a arte abstrata já estava morta, Dali fez o enterro do surrealismo e Burri e Fontana disseram que a “arte pobre” já nada tinha a dizer à sociedade daquele tempo. Leiam, por favor o livro “libelo contra a arte moderna” de Salvador Dali, escrito 60 anos atrás, e do qual transcrevo algumas linhas:“Os críticos da velha arte moderna foram sobretudo enganados e corneados pelo “moderno” mesmo. De fato, nada envelheceu mais depressa e pior do que aquilo tudo que num momento eles qualificam de ” moderno”.

- Publicidade -

Raciocinando em maneira clara, quem são os contemporâneos?

São os jovens artistas que vivem hoje, e o que eles gostam de retratar? Rabiscos? Manchas?..NÃO!

Eles gostam de pintar gigantescos retratos, trompe d ‘oeil hiper-realistas , animais e guerreiros futuristas. A maioria dos jovens anseiam um muro para mostrar o que sentem. Uma garagem ou uma fábrica abandonada, um túnel para dar cores às cidades onde vivem. AGORA, a arte está a sair à rua, os contemporâneos são artistas com mãos sujas e fato-macaco em cima de andaimes e que gritam o seu amor à arte e descontentamento por esta sociedade.

Whils, Kobra, Violant e centenas de outros que se aborrecem das estéreis inaugurações com galeristas a cuidar dos seus lobbys de artistas. Que não entendem os circuitos dos museus frequentados por pessoas que se maravilham da pobreza de comunicação que existem nestas salas asseadas e de ar purificado onde 100.000 pratos partidos estão amontoados numa sala do Guggenheim de Bilbao, ou os desenhos infantis de Baskiat no Perez Museum de Miami.

Eu sei que há pessoas que gostam e respeito-os nas suas escolhas….mas A ARTE MODERNA ou contemporânea é aquela que os jovens de 20 anos gostam..os artistas de hoje que produzem e sofrem para apresentar as suas ideias. E estas ideias estão na rua.

Pintor Italiano, licenciado em Arte e com bacharelato em Artes Gráficas em Urbino (Itália), vive em Portugal desde 1986. Em 1996 iniciou um protejo de ensino alternativo de desenho e pintura nas autarquias do Médio Tejo que, após 20 anos, ainda continua ativo. Neste projeto estão incluídas exposições coletivas e pessoais, eventos culturais, dias de pintura ao ar livre, body painting, pintura com vinho ou azeite, e outras colaborações com autarquias e instituições. Neste momento dirige quatro laboratórios: Abrantes, Entroncamento, Santarém e Torres Novas.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome