Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Terça-feira, Novembro 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“Amamentar”, por Vânia Grácio

Terminou mais uma Semana Mundial do Aleitamento Materno e não tive a oportunidade de falar sobre o tema.

- Publicidade -

- Publicidade -

Já todos sabemos os benefícios para a saúde da mulher e principalmente da criança, os benefícios para o desenvolvimento do bebé, para o estabelecimento de relação entre mãe e filho, as vantagens para o desenvolvimento sustentável… enfim, um sem número de vantagens diretas e indirectas. No entanto, muitas vezes esquecemos as vantagens para o próprio Sistema Nacional de Saúde, porque uma criança amamentada ganha outro tipo de defesas no seu sistema imunitário, logo o risco de apresentar problemas de saúde é menor.

Por outro lado, esquecemos também as políticas de incentivo à amamentação. Ora, a Organização Mundial de Saúde recomenda a amamentação em exclusivo (ou seja, como único alimento do bebé) até aos seis meses de idade e, como complemento até aos dois anos. No entanto, as mulheres apenas podem ficar em casa de licença até aos cinco meses de idade da criança. Digo podem, porque é quando o subsídio parental é minimamente aceitável.

- Publicidade -

Apenas pessoas com alguma capacidade económica e com entidades patronais tolerantes, podem usufruir da licença parental alargada, que confere o direito a mais três meses em casa com o bebé, mas pagos a uns míseros 25% da remuneração habitual da mãe. Em alternativa as mães podem espremer as mamas (literalmente), com máquinas de extracção (independentemente de serem de boa qualidade ou não) para deixarem leite materno aos pais, aos avós ou às amas para que possam dar ao bebé. Caso contrário, iniciam a introdução dos sólidos na alimentação do bebé.

Não consigo compreender porque num país desenvolvido, em que se pretende a promoção da parentalidade e o aumento da natalidade, não temos políticas de apoio à amamentação, que vão ao encontro das orientações da Organização Mundial de Saúde. Mais, não consigo compreender porque é que não existem mais Hospitais Amigos dos Bebés e Apoio no Sistema Nacional de Saúde para as mães (e pais) no pós parto, por enfermeiros especializados, que promovam a amamentação, ajudem a superar dificuldades, e apoiem estas mães nesta fase tão importante dos cuidados aos filhos.

Tanto que há para fazer… Quando começamos?

Vânia Grácio é Assistente Social e Mediadora Familiar e de Conflitos.
Licenciada em Serviço Social pelo Instituto Superior Bissaya Barreto e Mestre em Serviço Social pelo Instituto Superior Miguel Torga. Pós Graduada em Proteção de Menores pelo Centro de Direito da Família da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e em Gestão de Instituições de Ação Social pelo ISLA. Especializou-se na área da Mediação de Conflitos pelo Instituto Português de Mediação Familiar e de Conflitos.
Trabalha na área da Proteção dos Direitos da Criança e da Promoção da Parentalidade Positiva. Coloca um pouco de si em tudo o que faz e acredita que ainda é possível ver o mundo com “lentes cor-de-rosa”. Gosta de viajar e de partilhar momentos com a família e com os amigos (as). Escreve no mediotejo.net ao sábado.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome