- Publicidade -

Alentejo e Ribatejo vão ter mais de 3.000 quilómetros de percursos cicláveis

As regiões do Alentejo e do Ribatejo vão ter mais de 3.000 quilómetros de percursos cicláveis, anunciou a Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC), que iniciou esta semana o processo de pré-homologação. O projeto ‘Cycling Alentejo e Ribatejo’, iniciativa da Entidade Regional de Turismo (ERT), deverá estar concluído no final deste ano, segundo um comunicado divulgado pela Federação.

- Publicidade -

Nessa altura, as duas regiões terão 3.105 quilómetros de percursos, dos quais 1.369 de BTT (Bicicleta Todo-o-Terreno), 931 de estrada e 805 de gravel (caminhos não pavimentados). Além dos percursos, existirão oito centros ‘Cyclin’Portugal’ (infraestruturas de apoio aos ciclistas em diversas áreas), em Almodôvar, Arripiado (Chamusca), Arronches, Castelo de Vide-Marvão, Coruche, Ourique, Portalegre e Serra d’Ossa.

Alentejo e Ribatejo vão ter mais de 3.000 quilómetros de percursos cicláveis. Foto: DR

- Publicidade -

A homologação de percursos cicláveis por parte da FPC, ao abrigo do projeto ‘Cyclin’Portugal’, insere-se numa estratégia de afirmação de Portugal como destino para a prática de turismo com bicicleta, de acordo com o vice-presidente do organismo, Sandro Araújo, citado no comunicado.

“A parceria com o projeto ‘Cycling Alentejo e Ribatejo’ permitirá identificar e ativar uma vasta rede de percursos de estrada, BTT e gravel para diferentes públicos, do nível iniciado até ao mais avançado”, disse o também coordenador do programa nacional ‘Ciclismo para Todos’.

O desenvolvimento de uma rede de percursos cicláveis homologados pela FPC pretende, ainda, de acordo com a página do projeto ‘Cyclin’Portugal’ na internet, facilitar a “regulamentação e orientação da prática da modalidade na natureza e em áreas protegidas”.

Notícia relacionada:

Chamusca | Novo Centro de BTT de Arripiado, “um sonho” para potenciar o turismo (c/ fotos e vídeo)

c/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).