Alcanena | Morcegos do Alviela: entre as ameaças de extinção e (agora) a Covid-19 (c/vídeo)

Junto à nascente do Alviela, no concelho de Alcanena, existe uma “maternidade” que acolhe todos os anos, na primavera, um mamífero muito especial: o morcego. Cerca de 5 mil morcegos, de 12 espécies diferentes, constituem esta colónia, uma das mais importantes do país. Nove destas espécies encontram-se ameaçadas, perigo ao qual se veio juntar o novo coronavírus. Ao receio difundido de ser o portador do vírus que se transformou em pandemia, acresce o receio pelos especialistas de que venha a contrair a própria doença e se assista a uma mortandade sem precedentes dos animais. No Alviela não há episódios a registar de “caça” aos morcegos devido ao Covid-19.

PUB

O trabalho de Pedro Alves, especialista em morcegos – ou “morcególogo” como sintetiza – é na natureza. “Trabalho mais na área de avaliação de impacto ambiental, ando «à escuta» de morcegos”, explica ao mediotejo.net, sobretudo à noite, para perceber as suas movimentações. Os morcegos não são perigosos por si, o problema é a própria ação do homem, constata. Pedro e os colegas têm fatos próprios para interagir com os animais.

Pedro Alves é morcególogo e alerta para os exageros no controlo da pandemia em torno do medo dos morcegos Foto: mediotejo.net

Pelo Alviela, os morcegos alimentam-se de insectos e têm um papel importante no ecossistema para, por exemplo, o controlo de pragas. Em Portugal não houve nenhum movimento de “caça” aos morcegos como sucedeu pontualmente em alguns países, como a Índia, devido ao Covid-19, mas foi um tema, admite, que preocupou os especialistas. Surgiu por tal a iniciativa de realizar um trabalho de sensibilização junto de juntas de freguesias e Proteção Civil, por forma a alertar para certos exageros no controlo da pandemia em torno do medo destes animais.

PUB

Os morcegos locais, adianta, podem vir a sofrer inclusive com o próprio coronavírus. Se a doença contaminar negativamente os animais, explica, poderemos assistir a uma mortandade sem precedentes em espécies que já se encontram sobre ameaça. Pedro Alves dá o exemplo de uma pandemia na América do Norte, por meio de um fungo, que dizimou populações significativas destes mamíferos.

O vírus SARS-CoV-2 surgiu num mercado de Wuhan, na China, em que se vendiam animais selvagens e, apesar de haver provas que sugerem que os morcegos são o reservatório da vírus, os cientistas ainda não sabem que animal foi o hospedeiro intermediário que facilitou a transmissão do vírus aos humanos. Recentemente, um estudo revelou a possibilidade da transmissão ter ocorrido antes pelo pangolim malaio, utilizado na medicina tradicional chinesa.

PUB

O Centro de Ciência Viva do Alviela tem uma exposição dedicada exclusivamente à colónia de morcegos que reside na Gruta da Lapa da Canada, próxima à praia fluvial dos Olhos de Água, e respetiva “maternidade”, tendo já realizado um conjunto de iniciativas pedagógicas e lúdicas dentro da temática, como a “Noite com os morcegos”.

O seu projeto “Mundo de cabeça para baixo: conhecer e preservar os morcegos” foi recentemente anunciado como um dos 27 finalistas do Natura 2000 Award da Comissão Europeia. O projeto está a votação através do link https://natura2000award-application.eu/finalist/1104 até ao dia 15 de setembro, e, caso seja o mais votado, será depois distinguido com o prémio European Natura 2000 Citizens Award, como reconhecimento do finalista favorito do público.

Foto: EU Natura 2000

“É com muito orgulho e alegria que tivemos conhecimento de que o nosso projeto «Mundo de cabeça para baixo» foi anunciado pela Comissão Europeia como um dos 27 projetos europeus finalistas ao Natura 2000 Award, entre 79 projetos candidatos”, declarou em nota de imprensa Paula Robalo, diretora executiva do Centro Ciência Viva do Alviela. ”

Temos aqui a oportunidade de dar a conhecer o nosso trabalho além-fronteiras, mas também a quem ainda não o conhece em Portugal, que pode agora fazê-lo no site do Natura 2000 Award e demonstrar o seu apoio através do seu voto”, desafia Alexandra Nascimento, vogal da direção.

c/LUSA

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here