Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Agosto 4, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Alcanena: Mais famílias contempladas com o Cabaz Bebé Feliz

A Câmara Municipal de Alcanena atribuiu na quarta-feira, dia 11 de agosto, mais 9 cabazes com artigos para bebé, no valor de quinhentos euros cada, aos recém-nascidos do concelho. Desde o passado mês de janeiro foram já atribuídos 47 cabazes aos recém-nascidos do concelho de Alcanena.

- Publicidade -

Esta iniciativa da Câmara Municipal de Alcanena é dirigida a todas as famílias do concelho, independentemente da sua condição socioeconómica, procurando promover a natalidade e o apoio às famílias.

A atribuição do Cabaz “Bebé Feliz”, destinado a todos/as os/as recém-nascidos/as do concelho de Alcanena, cujos agregados familiares residam no concelho e cuja data de nascimento ocorra a partir de 1 de janeiro de 2016, foi aprovada em reunião de câmara realizada a 21 de dezembro de 2015.

- Publicidade -

O Cabaz é constituído por roupa, calçado, brinquedos, artigos básicos de higiene e vacinas, podendo, quando necessário, ser também composto por equipamentos para a criança, no valor aproximado, por Cabaz, de 500,00€.

São condições de atribuição do Cabaz “Bebé Feliz”, cumulativamente:
– Que a criança se encontre registada como natural do Concelho de Alcanena;
– Que a criança resida efetivamente com o/a requerente;
– Que o/a requerente ou requerentes residam no Concelho de Alcanena.

Para mais informações, deve contactar a Divisão de Desenvolvimento Humano e Social, no Edifício Municipal – Rua da Cova, nº 6, 2380-051 Alcanena, através do telefone 249 890 026 ou do email ddhsocial@cm-alcanena.pt.

A quarta entrega de cabazes “Bebé Feliz” foi efetuada pela presidente da Câmara Municipal de Alcanena, Fernanda Asseiceira, na Biblioteca Municipal Dr. Carlos Nunes Ferreira, tendo também contado com a presença dos vereadores Maria João Gomez e Hugo Santarém.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome